Olá, faça o Login ou Cadastre-se

  Conte sua históriaIçami Tiba › Minha história

Içami Tiba

Cotia / SP - Brasil
80 anos, psiquiatra, escritor

Içami nasceu no fundo de um armazém, em Tapiraí


Tio Tadami já tinha ouvido falar que em Tapiraí (SP) existiam japoneses e que cada um trabalhava para si, sem viver em colônias. E minha família não estava mais disposta a trabalhar para os outros. Então eles resolveram ir para lá.

Construíram uma casa de madeira em um declive, em uma esquina perto da avenida principal da cidade. Essa casa, que não existe mais, ficava em uma ponta de esquina em bico, entre uma subida e outra descida. Minha mãe nos contava que o papai trabalhava em um morro que começava depois de um riacho, cerca de quinhentos metros da casa. Subia o morro derrubando os matos e árvores para queimá-los em fornos, cavoucados em barrancos, com tetos de barro, tudo feito por ele mesmo. Meu pai começou a queimar carvão para comercializar em São Paulo, com um caminhão.

Minha mãe não falava português e o meu pai, um autodidata em nosso idioma, vivia carregando no bolso um pequenino dicionário. Na volta de São Paulo, meu pai passava pelas Casas F. Monteiro e comprava mantimentos, botas, facões e tudo o que não tinha em Tapiraí para expor na sala de casa. Quando chegava algum cliente japonês, minha mãe vendia. Quando aparecia brasileiro, minha mãe levantava uma bandeirinha branca para o pai, todo sujo de carvão, descer do morro e vir atendê-lo. Para vender sem prejuízo, ele usava um código de preços que marcava o preço pago. O episódio das bandeiras durou pouco. Meus pais falavam em japonês e nós tínhamos que responder em português, porque eles queriam, de fato, aprender bem o idioma.

O negócio começou a progredir e eles melhoraram de vida. Por essa época, meus pais construíram um armazém de alvenaria, a “Casa Tiba – Secos e Molhados”. Morávamos no fundo desse armazém, onde eu nasci. Nesse armazém também nasceram meus quatro irmãos menores. Ali viviam ainda os avós Rinnosuke e Momoe e mais uns irmãos menores do papai.

Acredito que vivíamos bem, pois papai vivia viajando, agora comprando carvão produzido por outros carvoeiros. Ele teve até que construir um depósito e já tinha alguns caminhões pés-de-boi para entrar no mato e recolher carvão e um grande, mais novo, para transportar o produto ensacado para São Paulo. No período da Segunda Guerra Mundial, a Casa Tiba já vendia de tudo. Tempos depois, a frente ganhou até uma bomba de gasolina. Apesar de já possuírem caminhões e funcionários, minha mãe trabalhava feito uma doida, com os nenês pendurados nas costas, um costume japonês. Meu pai vivia fazendo carvão e viagens quase diárias para vender a mercadoria em São Paulo. Na época da guerra, meus pais sofreram discriminação, mas não direta. A guerra tinha acabado há pouco tempo, mas meu tio Hideo acabou sendo preso porque falou em japonês, o que era proibido. Foi arrastado por policiais com violência para a cadeia e essa cena para mim, com quatro anos, foi muito chocante. Não me lembro de como ele foi solto, mas meu pai deve ter resolvido a questão em algumas horas.

Apesar da vida de muito trabalho de meus pais, nós tivemos uma infância de muitas brincadeiras. Meus dois irmãos mais velhos, Nobuo e Rinji, eram muito levados e apanhavam do meu pai e do meu avô. Mas eu era muito sossegado e não me lembro de ter apanhado! Nós tínhamos uma turma grande de amigos da avenida, umas dez casas. Brincávamos (e brigávamos) com o outro lado da rua e depois dividíamos a rua de outro jeito. Apesar de brincarmos muito, todos nós tínhamos tarefas.

Como havia a carvoaria, a nós, crianças, cabia catar os cacos de carvão no chão que caíam ao carregar e descarregar os caminhões. Os cacos tinham de ser aproveitados para o fogão a lenha e também para passar a idéia de que não poderia ter desperdício de nada. Até hoje faço questão de um chão impecável, mesmo que a minha mesa de trabalho esteja uma bagunça! Minhas arrumações pessoais lembram a organização de um mercadinho oriental: ao freguês brasileiro parece uma imensa bagunça, mas o dono japonês sabe exatamente onde encontrar cada produto na hora de vender.

Lá em casa não tínhamos água encanada. Toda a água utilizada ficava acumulada em dois tonéis, imensos para nós, mas que deveriam ser enchidos diariamente por meio de uma bomba manual que trazia água do fundo do poço. Ninguém gostava desse serviço, então, meu pai estabeleceu um rodízio de bombeadores. Cada dia um filho bombeava. Nessa função, inventamos umas palavras esquisitas, que não eram japonês nem português. Os adultos mandavam Nobuo e Rinji “bombar” a água — não falávamos bombear. Em japonês: "Mizu kuminassai!" E se tivéssemos já bombeado, gritávamos “Já kundei”, significando “já bombeei a água”. Com menos de oito anos, achei que também podia fazer isso. Foi a glória para os outros. Levava um tempão e, no ritmo das bombeadas, eu cantava músicas japonesas. A minha preferida era “Yuuyake koyake de hi ga kureru” (sobre o pôr-do-Sol) que dizia que “o dia está acabando, a lua está nascendo e as crianças se dão as mãos porque é hora de voltar para casa”.

Sempre tivemos o costume de usar ofurô em casa. Vovô era sempre o primeiro a se banhar e os netos deveriam misturar a água e, mesmo que disséssemos que estava boa, ele sempre perguntava se tínhamos mexido na água antes. E ai de quem mentisse! Apanhava do avô, que era muito bravo: ‘A surra é para aprender a fazer o serviço completo’, para não causar choque térmico nele. Quando isso acontecia, era um sufoco geral, pois vovô agitava todos os presentes porque saía pelado para o pátio gritando pelo responsável para lhe dar uma surra. Todos tremiam.

Meu avô nos ensinou a fazer sorvete e prever o tempo para ver se haveria geada. Durante o dia, nós perguntávamos para ele: ‘Vai dar para fazer sorvete hoje?’ E ele respondia: ‘Hoje podemos’ ou ‘Hoje não adianta’. Ou ainda: ‘Hoje vai fazer frio, mas não vai gear’. Se ele dissesse que sim, dava certo, mas se ele dissesse que não, nem adiantava tentar. Era com muita alegria e ansiedade que nós colocávamos potinhos com água e groselha para congelar durante a noite e tomar nosso sorvete pela manhã! Ensinei para minha filha Luciana que precisa ter uma névoa em volta da lua clara, fato que a gente só percebe com o olhar muito acostumado.

Na época da minha infância, meu sonho era ser motorista de caminhão, pois achava maravilhoso poder dirigir. Pegava caixas de madeira utilizadas para mantimentos e empurrava meus irmãos menores – as cargas –, e eu era o motorista e o motor. Nós brincávamos em volta de um escritório de alvenaria que meu pai havia construído, separado da casa, para tratar de negócios e que funcionava também como sala de visitas.

Foi neste período que minha irmã Yukie, nascida depois de mim, caiu de cama, grave, com pneumonia. Ela era bem fraquinha e vivia doente. Nobuo, Rinji e eu íamos caçar rãs para fritar, uma das poucas comidas que ela aceitava. Eu pegava mais rãs que meus irmãos porque eles eram mais barulhentos e apressados e acabavam espantando-as.

Em Tapiraí não havia médico e meu pai trouxe um, o doutor Imamura, de Piedade ou de Sorocaba. Acompanhei o exame físico observando os mínimos detalhes naquele quarto meio escuro de nossos pais. Yukie estava sentada na cama, fragilzinha, enquanto doutor Imamura escutava seus pulmões encostando suas enormes orelhas (ele deveria ser muito velho) nas costas dela. Depois, o doutor a deitava e batia com o dedo médio direito em outro dedo esquerdo; escutava o barulho e apalpava delicadamente, tendo antes esfregado bastante as mãos para esquentá-las. Depois o doutor se despediu, deixando-nos esperançosos. Foi aí que senti uma vontade imensa de ser médico – mas de viajar. E de kombi. Falei para mamãe que, quando crescesse, queria ser médico. A resposta dela foi que eu teria que estudar muito. Essas palavras ficaram na minha cabeça e me lembraria delas em outros períodos da minha vida

Não me lembro quanto tempo depois disso Yukie faleceu. Foi uma choradeira danada. Nunca mais me esqueci da cena em que vi minha tia Kikuo ir até o poço, abrir a tampa de madeira e gritar lá para dentro do poço o nome da Yukie várias vezes. Não entendi nada, pelo contrário, fiquei assustado. Perguntei a ela por que ela gritava tanto. Ela me respondeu simplesmente: ‘É um costume japonês’. Aceitei como uma das coisas que adultos falam e a gente finge que entende.

Depoimento à jornalista Patrícia Rodrigues
Fotos de Renato Stockler e arquivo pessoal de Içami Tiba


Enviada em: 02/07/2008 | Última modificação: 18/07/2008
 
« As festas no kaikan e as gincanas de undokai A chegada da família Chiba ao Brasil »

 

Comentários

  1. Susilene Uwagoya @ 3 Jul, 2008 : 06:19
    Uma história de muita luta e perseverança!!! E o sucesso como mérito! !!

  2. Klissia Tiba @ 3 Jul, 2008 : 14:52
    Olá Içami! Tudo bem? Parabéns pelo trabalho! Suas obras são muito boas! Temos o mesmo sobrenome, será que temos algum parentesco? Bom, eu vi que em sua galeria tem uma foto do brasão da família Tiba, você se importa se eu também colocar a foto na minha galeria? Obrigada. Sucesso para você! Klissia Tiba.

  3. Ryoki Inoue @ 4 Jul, 2008 : 18:41
    Tiba, velho colega! Parabéns por seu depoimento (biografia, na verdade)! A admiração que sempre tive por você, desde os nossos tempo de judô na Pinheiros, ficou ainda maior depois de tê-lo visto fazendo sucesso na psiquiatria. Agora, depois de ler a sua história de vida, essa admiração não tem mais medida! Um forte abraço!

  4. Emilia Sumie Adachi @ 6 Jul, 2008 : 23:46
    Depoimento cativante! Sou nissei como você e me "vi" em vários pontos de seu depoimento: as comidas da infância, o Kai-kan o undoo-kai, as não-festas de aniversário, a rigidez da educação, o entendimento posterior da importância da cultura na minha formação... Estou hoje com 52 anos e sou muito grata a meus pais pela educação que me deram, apesar da rigidez e "frieza" com que sempre trataram as 4 filhas. Sem dúvida temos fatos marcantes da infância em comum, o que mostra o quão forte, padronizada e arraigada é a cultura dos nossos pais japoneses. Eu sei que carrego muito disso e com certeza, transmiti aos meus dois filhos. Um grande abraço, e obrigada por ter escrito tudo isso em "Sua história". Emília Sumie Adachi (Adati, como o Chiba) (emiliaada@via-rs.net)

  5. silvana lima @ 19 Jul, 2008 : 11:07
    tiba obrigado por existir você ajuda a milhares de pessoa atraves dos seus ensinamentos simples práticos e sou professora de educação infantil e me espelho muito em suas palavras para analisar os meus alunos mas há muita dificuldade em falar com os pais pois são em geral numa sala de 10 apenas 2 não são filhos únicos sendo assim os demais vivem em função de realizar os desejos de seus reis e rainhas fica dificil mas creio que vc sempre vai iluminar minhas palavras e colocações para ajudar esses pais a criarem os seus filhos pra vida e não para si. beijos no seu coração. ah, embora não nos conhecemos mas partilho muitas idéias e pensamentos seus FELIZ DIA DO AMIGO pq embora longe muito me ajuda.xau

  6. helena ueta suzuki @ 4 Ago, 2008 : 23:16
    Quando eu admiro uma pessoa sempre quero conhecê-la melhor. Nesse sentido gostei de ler passagens de sua vida e até pude compreender muitos aspectos da cultura japonesa. Meu pai era japonês e minha mãe é nissei. Na minha infância e adolescência eles falavam essas frases em japonês sobre "aguentar" e "não ficar resmungando" mas acreditava, por exemplo, que só eles não comemoravam o meu aniversário. Gosto de muitos aspectos de minha herança mas ser mais expansiva, não seguir à risca a hierarquia imposta pela cultura e demonstrar abertamente meus sentimentos me deram o tempero de que eu precisava e que só poderia encontrar aqui no Brasil. Entendo bem o que é ser "um japonês saidinho". Tenho 48 anos, também sou médica e posso dizer que em seus livros encontrei conceitos importantes sobre a vida e sobre educação. Essas informações complementaram minha vida profissional e pessoal, uma vez que tanto a faculdade como a residência médica são deficientes em fornecê-las. Além do domínio da língua portuguesa, fato importantíssimo para quem é nissei, seus textos são claros, com termos compreensíveis para todos os leitores e por apresentarem analogias muito interessantes determinaram o seu sucesso como escritor. Acredito que a felicidade está em construir uma vida rica em detalhes, com inúmeros obstáculos transpostos, lutando e reconhecendo todas as conquistas. PARABÉNS !

  7. Mirian Caixeta @ 5 Ago, 2008 : 00:35
    Parabéns Içami,pela luta e pela garra de seus pais,isto fez com que você desse um valor maior aos seus estudos e é o profissional competente que é.Herdou de seus pais e avós, a sua determinação.Conheço seu trabalho e sua obra,jamais pude imaginar que seus pais sofreram tanto.A eles meus respeitos e minha admiração.A você, o meu muito obrigada por ser um brasileiro descendente dos japoneses que eu admiro tanto,mas que nunca foi viver um eldorado que só existe na cabeça de sonhadores brasileiros que deixam nossa pátria pra viver horrores no estrangeiro.O meu abraço carinhoso de Mirian Caixeta.

  8. Marcelo Uchoa @ 20 Ago, 2008 : 08:34
    Bonita História de vida, Dr Içami, já o admirava muito antes do Congresso de Educadores em Juazeiro do Norte-CE e agora mais ainda com a bela História de luta dos seus pais e dedicação em educa os filhos. Parabéns a eles e ao senhor por ser quem é.

  9. dnazzar@ig.com.br @ 5 Set, 2008 : 22:45
    Dr. Içami, nasci e vivi em Taboão da Serra. Quase vizinha de seus pais.Hoje sou Pedagoga, sigo seus ensinamentos na área de piscopedagogia. Seu relato nos mostra que o sonho é maior. Acreditar nas portas que se abrem, arriscar e ter coragem são traços da cultura niponica. Me sinto orgulhosa por tê-lo conhecido ainda na minha infância, hoje trabalho com a neta de Dona Francisca esposa do Sr. Takaki, vizinhos de seus pais. O Sr. é pra mim um grande homem, que DEUS abençoe a o Sr. e a toda sua família.Sou sua fã incondicional. Delma

  10. Jorginho-camjvm@uol.com.br @ 13 Set, 2008 : 16:35
    A cada fala ou aparição do Dr. Içami Tiba na TV me deixa ainda mais orgulhoso, afinal é o nosso conterrânio, tapiraiense nato, o qual tive o previlégio de outorga-lo o titulo de cidadão benemérito tapirainse quando fui vereador da cidaddo 1993/1996. Enfim parabéns Dr. Içami por ser essa pessoa tão especial para Tapiraí/SP. Quem quiser saber mais acesse o site www.camaratapiraisp.com.br clique no icone Titulos de Cidadania e depois clique em cidadão benemériot

  11. japa pobre @ 25 Set, 2008 : 02:30
    sou fã dele

  12. Isadora Mharry Oliveira da Silva @ 27 Out, 2008 : 18:59
    Reverências,Dr.Içami Tiba! Eu sou Isadora Mharry Oliveira da Silva, filha do professor e pedagogo Gervásio Oliveira da Silva, futura profissional de Educação Física, membro da Seicho-No-Ie do Brasil e leitora de seus livros, inclusive O Executivo e Sua família. Como você está? Eu vou bem, obrigada. Para mim,o senhor é psiquiatra-educador, pois seus livros falam de família e de educação entre pais e filhos, ontem ouvi a música da antiga banda Legião Urbana, (com Renato Russo): "Pais e Filhos", que fala justamente sobre a relação entre os pais e os filhos e lembrei-me do senhor! No meu trabalho de faculdade sobre a desordem motora, citei a sua frase do livro O Executivo e Sua Família e publiquei-a no trabalho, pois achei interessante. Por que o senhor não fala sobre a desordem motora no seu próximo livro sobre educação? Fica aqui esta sugestão singela. Vou confessar-lhe uma coisa:também tenho amigos japoneses e descendentes de japoneses na minha cidade, Manaus. Muito obrigada por você existir!Tenha sempre sucesso e saúde, pois você merece ser feliz!Saúde para a sua esposa e para toda a sua família! Um abraço de sua leitora e amiga:Isadora Mharry Oliveira da Silva.

  13. suleimavilaca.@yahoo.com.br @ 9 Nov, 2008 : 16:16
    Conheço seu trabalho há pouco tempo através do livro"Disciplina-limite na medida certa"e me apaixonei pelo seu discurso.Como mãe e professora primária deveria tê-lo conhecido a mais tempo.Talves não tivesse errado tanto! Mas nunca é tarde par aprender e, como você sempre relata em suas entrevistas,pais e professores devem estar sempre estudando.É o que procuro fazer sempre que possível.Descobri há pouco seu site através do livro "Conversas com Içami Tiba"e agora estou feita podendo ter acesso ao seu trabalho com esta facilidade da internet. E viva a tecnologia! Você é grande, sua história é grande. Parabéns e continue com a gente. Sua fã e admiradora.

  14. giovania, 09 Dez,08 @ 9 Dez, 2008 : 20:56
    Dr.Içami, você é um ser perseverante e um otimo escritor. Tenho alguns livros seus! Sua história de vida é marcante!Se antes lhe admirava, agora lhe admiro mais.Beijos carinhosos de sua leitora.Giovania U. da Fonseca.Recife-Pe

  15. Rogério Chiaroti @ 15 Dez, 2008 : 17:23
    Sou jornalista e estou em um projeto sobre o Japão. Gostaria de saber se tem maiores informações sobre a permanência de sua familia em Morro Agudo. Por favor, entre em contato pelo e-mail: ojornalomomento@hotmail.com

  16. Tatsuo Kajino @ 30 Dez, 2008 : 18:47
    Dr. Içami, li este depoimento e como a vida é engraçada. Nunca pensei que o Sr. fosse nascido em Tapiraí!. Deixe-me apresentar: meu nome é Tatsuo Kajino, sou imigrante vindo em 1956, e tenho 56 anos, morei coincidentemente primeiramente em Cotia, depois Embu. Meus pais compraram um sítio em Tapiraí, e eu fui morar no internato no Colégio São Francisco Xavier, onde também fui batizado. Neste período meus pais plantavam chá em Tapiraí. Pois bem, durante as férias ia para lá. durante dois anos. Eu lembro que tinha uma família Tiba. Mas como a minha mãe ficou doente por causa do clima(chovia muito por lá, e fazia frio o ano inteiro). Mudamos em 1966 para Bauru, onde moro até hoje. Me formei Engenheiro, porque mesmo com sacrifício, os meus pais eram muito estudados e faziam questão que os fo]ilhos os seguissesm. O sr. é um orgulho para nossa colônia, parabéns

  17. Socorro, mcarvalho2010@gmail.com @ 21 Jan, 2009 : 23:25
    Até agora li somente "Adolescentes: Quem ama educa". Más já percebendo o quão suas obras são importantes a todos os pais que queiram o melhor para seus filhos da melhor forma e sem prejudicar ninguém. E mesmo que eu fique digitando aqui um bom tempo, não seria o suficiente para expor o quanto lê-lo "é" importante pra mim. Mas talvez acrescentando uma frase (Nelson Rodrigues) no título ficaria mais visível: "Adolescentes: Quem ama educa! A vida como ela é". Um abraço e muito obrigada.

  18. Miguel Lima @ 23 Jan, 2009 : 08:20
    Içami Tiba, a história da sua família é triste, mais com grande vitória no final. É vergonhoso saber que o governo brasileiro fez tantas coisas erradas no passado. Isso não aconteceu somente com os Japoneses mais com outras nações também. E ainda acontece com brasileiros entre estados. Fazendeiros dos estados do Pará com alguns estados do Nordestes, fazem promessas e levam uma certa quantia de trabalhadores e lá mantém eles sobre guarda armada para não irem embora e tudo que eles consome tem que pagar. Mais graças á Deus hoje temos muitos meios de comunicação e pessoas honestas para está informando e divulgando tais ilegalidades neste país de grandes contrastes socias. Um grande abraço!

  19. araci noronha da silva ferreira @ 24 Jan, 2009 : 15:48
    PARABENS Içami Tiba pela grande contribuiçao que voçe deu a nos todos pais e filhos com suas palestras , livros programas de TV...ETC. Deus o abençoe e o conserve sempre assim .JA LI E RELI QUEM AMA EDUCA , e´ muito bom , maravilhoso.OBRIGADA! SANTA CRUZ DO RIO PARDO/SP

  20. Cristiana Saito @ 26 Jan, 2009 : 04:52
    Içama Tiba parabens pelo seu trabalho,tenho um filho e seu livro me ajuda muito,minha família tem origem da cidade de Miyagi e meu avó e vô partiram de kobe também,moro no Japão alguns anos,fiz o caminho inverso dos meus avós,os problemas são diferentes,mas os dekasseguis não conseguem fazer parte da sociedade japonesa,os japoneses se "blindam" em relação á isso,os nossos avós conseguiram porque no Brasil temos uma mente aberta,e fica o meu desabafo,não tenho o que comemorar,nem meus avós, foram expulso daqui sem certeza de volta.Um grande abraço!

  21. Vanilde Dias Barros @ 3 Fev, 2009 : 07:53
    É maravilhoso poder partilhar de alguma forma da sua estoria...E melhor ainda é a vontade de ñ desistir nunca de ser leitora de seus livros,pois como tem mudado ou seja melhorado a forma de vida de muitas pessoas viu?Parabéns mesmo ñ só a vc Tiba mas a todos os seus leitores.

  22. Mauricio Tiba @ 3 Abr, 2009 : 00:49
    Parabéns Dr. Tiba, Meu nome é Mauricio Tiba, o nome de meu pai é Itaro Tiba que é filho de Kunio Tiba e Mya Tiba, minha família também é da região de Tapiraí, moravam na côlonia existente no local. Não sei se há algum grau de parentesco, mas gostaria de saber do Sr. se os conhece ou sabe de algo, sei moravam em um sítio próximo a cidade de Tapiraí, também produziam carvão e sofreram muito. Quando de minha infância escutei muito meu avó falar da venda do Tiba, mas não sei detalhes. Grato, Mauricio Tiba mtibas@yahoo.com.br

  23. Auro Alexandre Castro - educador @ 3 Jun, 2009 : 06:10
    Guarulhos, 3 de junho de 2009. Prof. Içami Tiba: Sou filho de lavrador, de Morro Agudo-SP, e, na minha cidade, conheci um senhor chamado Hideo Okano, em 1954. Seria este o seu seu tio - o 4º filho de seu avô? Admiro o seu trabalho, leio-o, ouço-o sempre e vejo-o sempre pela TV. Abraços cordiais. Aguardo uma resposta sua. auroa.castro@ig.com.br

  24. Claudia @ 15 Jun, 2009 : 00:13
    muito legal sua historia. estou precisando fazer um trabalho para a escola sobre o relacionamento entre pais e filhos japoneses, como os pais criam seus filhos e nao consigo encontrar nada na internet. gostaria de saber se você conhece algum site, ou livro, ou qualquer outra fonte que eu possa pesquisar. meu email é claumuhs@bol.com.br grata.

  25. Ana Isa Febali @ 21 Jul, 2009 : 08:41
    Meu email é: anaisafebali@bol.com.br

  26. Regina K Takeshita @ 28 Jul, 2009 : 00:25
    Eu admiro muito o seu trabalho, já li o seu livro "Quem ama educa", muito legal... Sempre que posso, assisto as suas entrevistas na televisão. Parabéns pelo seu trabalho e suas conquistas.

  27. Bundy Celso Tiba @ 24 Set, 2009 : 17:40
    A história da chegada da Família Tiba ao Brasil é bem familiar. Meu pai, Fumio Tiba, contava as histórias da saga da família. Interessante que parte da família manteve a escrita "Chiba". Meu avô - Tanesuke Tiba também era de Miyagi-Ken. celsotiba@yahoo.com.br

  28. monica @ 30 Set, 2009 : 08:39
    Dr.Içami, parabéns pelo exelente relato, deveria escrever um livro sobre tudo isso, o senhor é um escritor nato e relata tudo de maneira emocionante...

  29. JULIO CESAR NAKAGAWA @ 2 Out, 2009 : 14:11
    A historia de nossos antepassados sao sempre interessantes e curiosas, geralmente muito bonita e com bastante sofrimento. Mas nos deixaram um legado muito valoroso que nao tem dinheiro que pague, que e a honestidade, honra,justiça,lealdade, sabedoria e muitas outras coisas que nos fazem de certa forma diferentes. Sempre digo que para conseguir dar jeito no nosso tao querido Brasil, teriamos que colocar a frente do pais um presidente japones,mas japones legitimo com certeza seria uma boa esperança para tudo de tao ruim e vergonhoso que vem ocorrendo na politica brasileira. Parabens Dr.Içami por tudo de bom que faz em nosso pais,o senhor e mais um motivo de me orgulhar de ser japones. juliocesar.naka@hotmail.com

  30. Nelma Rocha @ 3 Out, 2009 : 11:01
    olá Dr Içami quero parábeniza-lo pela sua valiosa colaboração em seus livros,pois sou pedagoga e sempre em meus trabalhos acadêmicos, busquei suas referências, e fiquei muito pensativa, em saber que no nosso século ainda exista trabalho escravo,mas muita paz e que Deus continue lhe dando sabedoria, para que possa contribuir com seus conhecimentos natos.

  31. adriana barbosa @ 14 Out, 2009 : 23:53
    dr.Tiba, ontem tive a honra de assistir á uma palestra sua e ela me fez refletir muito sobre minha conduta ao "educar" meus filhos.lhe agradeço muito pelas palavras ali ouvidas e desejo que possa multiplicá-las cada dia mais.sua existencia é luz .obrigada!

  32. M Carmen Nogueira @ 20 Out, 2009 : 03:28
    Também sou filha de imigrantes espanhóis e entendo o que sua família passou. Sou professora de português há mais de 30 anos e assistindo a algumas de suas palestras e lendo seus livros, aprendi a entender os alunos e a lidar melhor com eles. Inclusive muitas atitudes referentes à educação de meu filho, agora com 27 anos, aprendi com o senhor.Atualmente vivo na Espanha e ao encontrar este site sobre sua vida e trabalho, emocionei-me. Parabéns pela vitória e obrigada pelas lições. Gostaría de continuar lendo seus livros, mas aqui não há. Como posso consegui-los? Venha fazer palestras aqui na Espanha. Estes alunos, pais e professores necessitam de sua ajuda. Que Deus continua iluminando-o

  33. graça clementino @ 12 Nov, 2009 : 22:37
    dr.Tiba, ontem tive a honra de assistir á uma palestra sua e ela me fez refletir muito sobre minha conduta ao "educar" meus filhos.lhe agradeço muito pelas palavras ali ouvidas e desejo que possa multiplicá-las cada dia mais.sua existencia é luz,parabens pelo programa,um abraço.meu e-mail gracinha1968@hotmail.com moro em guarabira paraiba

  34. marli aparecida pasqueta . @ 28 Nov, 2009 : 17:54
    gosto muito de voce .porque aprendo muito.abraço. marlipasqueta@hotmail.com

  35. Valdilene Almeida @ 11 Dez, 2009 : 12:45
    Parabéns tiba, você é um maravilhoso instrumento nas mãos de Deus que veio ,através dos seus conhecimentos, melhorar e evoluir o pensamento e as ações dos homens. Obrigado! Um abraço meu e da minha filha Viviane.valdilenealmeida27@hotmail.com

  36. Dawilson Lucato @ 12 Dez, 2009 : 20:34
    Como o Sr.,Dr.Tiba,sou Uspiano.Eu e minha esposa,Vitalia Rosa,educamos nossos filhos à luz das suas sábias e inspiradas obras.Que as suas pesquisas possam chegar a todos os lares,é o que nós desejamos do fundo de nossos corações ! 12/12/2009.Obrigado,sua missão é Nobre!

  37. Dawilson Lucato @ 12 Dez, 2009 : 20:34
    Como o Sr.,Dr.Tiba,sou Uspiano.Eu e minha esposa,Vitalia Rosa,educamos nossos filhos à luz das suas sábias e inspiradas obras.Que as suas pesquisas possam chegar a todos os lares,é o que nós desejamos do fundo de nossos corações ! 12/12/2009.Obrigado,sua missão é Nobre!

  38. Flávia Morais @ 22 Jan, 2010 : 14:10
    Gostei da reportagem do Dr.Chiba. Admiro seu trabalho Pstrícia Rodrigues. Eu sou Adminitradora mas confeço que admiro o jornalismo. Bom trabalho"

  39. Ione @ 18 Fev, 2010 : 18:22
    Dr Tiba Fico muito orgulhosa de ter o senhor entre nós passando todo seu ensinamento Obrigado

  40. soniacp @ 28 Mai, 2010 : 08:29
    Já li "Quem ama educa" mas confesso que é muito difício educar, ma estou apreendendo muito com o Dr.. Um abraço e parabéns.

  41. Adriana @ 10 Jun, 2010 : 06:59
    Sr. Içami, tentei levantar algumas informações em seu CV, se é casado e quantos filhos tem, mas não localizei em nenhum lugar e estas informações faz muita diferença no que li até o momento quanto a educação dos filhos.

  42. micheli @ 20 Ago, 2010 : 08:42
    Estive na sua palestra em fco beltrão 16/08/2010 muito importante tudo o que resaltou .. Parabéns

  43. Akemi @ 15 Out, 2010 : 06:18
    Quero parabenizá-lo pelo trabalho que faz, assisto sempre que posso ao seu programa na rede vida e adoro.Estava lendo a sua história e me chamou a atenção porque meus avós tb chamavam Tiba e vieram de Miyagi-Ken. Desejo lhe muita saude Dr Içami, para que continue nos passando os seus ensinamentos Felicidades

  44. Sérgio Ricardo Cavalcante Roque @ 27 Out, 2010 : 20:04
    Fico muito orgulhoso de morar há um quarteirão de onde o Sr. nasceu... Pena que o Kaikan foi desativado e transferido para outra sede; guardo também boas lembranças do Kaikan, do Sr. Hideo, da "Dona" Alice...saudades!!!

  45. roselibertucci@ @ 8 Jan, 2011 : 12:39
    Srº Içami,a hitoria de sua familia é tremenda . talves por isso tudo que passou, o Srº tenha se tornado neste homem tão sensivel aos problemas das familias. Seu trabalho esta de parabéns, seus livros são um referencial para todos os educadores. Deus continue te dando a graça de escrever livrosque venha ajudar nossas familias a ser cada dia melhor. um abraço

  46. izadora @ 17 Mar, 2011 : 06:59
    eusou desedente de japones eusou igulzinha mas eusou brasileira

  47. Thiago Chiba @ 28 Mar, 2011 : 16:21
    Sou Um CHiba!!!!! Familia Batalhadora!!

  48. Mônica Shitara @ 3 Jun, 2011 : 17:26
    "Já Kundei!" essa foi a melhor!Dei muita gargalhada! Só um nikkey brasileiro pra inventar e outro pra entender! Doutor, sempre fui sua "fãzona", e depois de saber de sua história, tão parecida com tantas outras e inclusive com a da minha família, me sinto mais próxima do senhor! Hoje (nem sempre foi assim) me sinto uma privilegiada por ter recebido os valores que recebi de meus amados pais, e poder fazer uma "misturança" com o jeito mais leve e caloroso da brasileira que sou. A cada dia me orgulho mais de trazer comigo essas histórias, e me conscientizo da importância delas em minha formação e no que sou hoje. Gostaria muito de conseguir passar um mínimo desses sentimentos para meus filhos, a gratidão aos avós e aos pais. Pra variar, me deliciei com a leitura de suas palavras! Obrigada!

  49. Francisca Adriana @ 17 Jun, 2011 : 05:44
    Te admiro muito assisto o seu programa quase sempre vc é um ícone de pessoa batalhadora.Sou sua fanzona.Drica.

  50. Adriana Pereira @ 17 Jun, 2011 : 05:47
    Doutor vc é dimais.seus livros são um referencial para nós os educadores de todo o Brasil.

  51. Sylvia @ 21 Out, 2011 : 06:30
    Doutor, concordo com o Sr que hj em dia os pais estão criando mostros pois em relação a educção esta cada vez pior os jovens só querem beber e se drogar e nada mais.Um grande abraço e adoro ler seus livros.

  52. Jaqueline Pupo @ 21 Out, 2011 : 10:59
    Admiro muito o Senhor Içami, tive a oportunidade de conhecê-lo rapidamente, me lembro, em um dia de eleição em Tapiraí, em 2001 ou 2002, eu estava, entre outros, com Kazuo Tiba, prefeito na época. Durante 6 anos atuei no Turismo pela Prefeitura de Tapiraí e sei o quanto o Sr. Içami é amigo da população e da colônia japonesa. Na época de nosso encontro, lembro, ele disse que fazia questão de exercer a cidadania através de seu voto, e voltou lá... Seriedade e compromisso, Sr. Tiba é referência pra mim!

  53. Eline Adriana IIse @ 19 Nov, 2011 : 15:29
    Sempre fui fã do senhor uma por ser professora e admirar muito o seu trabalho e outra por eu ter nascido e morar em Tapiraí até hoje, e acompanhar o projeto de cidade educadora a qual o senhor está fazendo aqui. È muito bom compartilhar com pessoas inteligentes e que acreditam neste paraiso.

  54. marilea cardoso @ 31 Dez, 2011 : 13:16
    Gostei muito da frase que ouvi de um pregador da minha igreja, frase saiu da boca do senhor Içami Tiba em um congresso: Quem leva seu filho para igreja, não vai busca-lo na prisão. Não quero dizer que vale para todos, mas para mim valeu muito..

  55. Val @ 29 Jan, 2012 : 06:49
    Dr.Içami Tiba. Prazer encontra-lo em Paraty..queria falar com vc. Mas, nao quiz incomoda-lo. Estavamos em um restaurante proximo à uma Igreja.. falei seu nome, e vc respondeu;- ESSE NOME NAO ME' E' ESTRANHO.Achei o maximo!!! :) TENHO SEUS LIVROS! Sou de Blumenau-SC. GDE. ABRAÇO..GDE HOMEM!!!VC E' O CARA!!

Comente



Todo mundo tem uma história para contar. Cadastre-se e conte a sua. Crie a árvore genealógica da sua família.

Árvore genealógica

Nenhuma árvore.

Histórias

Vídeos

  • Nenhum vídeo.

| mais fotos » Galeria de fotos

Áudios

  • Nenhum áudio.
 

Conheça mais histórias

mais perfis » Com o mesmo sobrenome

 

 

As opiniões emitidas nesta página são de responsabilidade do participante e não refletem necessariamente a opinião da Editora Abril


 
Este projeto tem a parceria da Associação para a Comemoração do Centenário da Imigração Japonesa no Brasil

Sobre o Projeto | Cadastro | Fale Conosco | Divulgação |Termo de uso | Política de privacidade | Associação | Expediente Copyright © 2007/08/09 MHIJB - Todos os direitos reservados