Olá, faça o Login ou Cadastre-se

  Conte sua históriaTakeshi Misumi › Minha história

Takeshi Misumi

São Paulo / SP - Brasil
75 anos, Administrador de Empresas e Contador

KOKO NI SATI ARI – AQUI ESTÁ SATIKO


O COMEÇO...
Conheci você antes de você me conhecer! Pelo menos uns dez anos antes de você me conhecer. Como? Quando?
O ano era 1961. Era o primeiro ano após a mudança da minha família, do interior para São Paulo. Eu ainda estava sofrendo pela difícil adaptação à vida numa cidade grande. No período da tarde, eu ajudava meu pai na quitanda que ficava na Rua Teodoro Sampaio quase esquina com a Rua Henrique Schaumann. Certa tarde, sem nenhum freguês, eu estava na porta da quitanda vendo o movimento da rua. De repente, um grupo de jovens vinha descendo no sentido Pinheiros, fazendo uma enorme algazarra. Eram cerca de dez jovens uniformizados. Se não me engano da Escola Antonio Alves Cruz, que ficava na Rua João Moura, duas quadras acima da Henrique Schaumann. Aos meus olhos destacou-se uma menina com traços orientais com enormes olhos redondos. Olhos que sorriam. De tão grandes pareciam jabuticabas. Eram emoldurados pelo rosto meio arredondado. Ela era uma das mais animadas jovens do grupo. Ao olhar ao seu redor, divisei uma figura conhecida. Era o Shigueki. Esse eu conhecia. Era meu primo de segundo grau. Ao me ver na porta de quitanda acenou com um rápido cumprimento. E o grupo se foi. A imagem da jovem sorridente de olhos grandes e brilhantes ficou na minha mente. A partir desse dia, sempre que se aproximava o entardecer ficava ansiosamente esperando aquele animado grupo de jovens passar em frente à quitanda. A animação daqueles jovens, principalmente o sorriso solto daquela mocinha me contagiava. Por alguns instantes esquecia da saudade que sentia da minha Andradina. Às vezes, quando eu estava atendendo algum cliente, ouvia as animadas risadas daquele grupo passando em frente à quitanda. Às vezes, a gritaria daqueles jovens se confundia com o estridente barulho dos bondes sobre os trilhos que passavam nos dois sentidos da rua. Os carros também faziam um barulho ensurdecedor ao transitar sobre os paralelepípedos da Rua Teodoro Sampaio. Naquela época, muitas ruas eram calçadas com paralelepípedos. O tempo passou... Não a vi mais...

DEZ ANOS DEPOIS...
Era o ano de 1971. Final de ano. Após alguns encontros casuais com olhares furtivos e conversas descompromissadas, resolvi propor namoro a uma colega da minha prima com quem reencontrei após alguns anos. Compromisso assumido, resolvi encontrar com ela na sua casa. Morava na Rua Bartolomeu Zunega, em Pinheiros. Caminhando, ao divisar o portão da casa dela, vi um casal de jovens de mãos dadas em posição romântica. De longe pareceu-me ser a minha namorada recém conquistada. Com outro homem? Não!!! Não é possível! Diminui os passos para pensar melhor... Mas, ao me aproximar do casal percebi que não era a minha garota. Era bem parecida. Mas, algo a distinguia. Alívio!!! Ao cumprimentá-los ela sorriu com os olhos brilhantes. Lembrei!!! Era a garota que passava em frente à quitanda. Dez anos passados... E, assim casei com sua irmã Norika, e tornei-me integrante da família Sato. Satiko, talvez eu nunca tenha comentado esse fato. Mas, guardo na memória até hoje esses fatos tão singelos mas significativos.

E O TEMPO PASSOU...
Não vou contar a nossa história, ou melhor a sua história. Não sou a pessoa indicada para essa tarefa. Existem outras pessoas em condições melhores. Que conhecem mais fatos sobre sua vida. Mas, não posso deixar de citar algumas ocorrências que me parecem relevantes...
Imagino o quanto você sofreu junto com a família nos idos de 1954. Era o ano do IV Centenário da cidade de São Paulo. Ano de muitas comemorações. Porém, para a família Sato foi uma época triste. Também, pudera. Poucos meses após o falecimento precoce do Takeyuki - tionam (primogênito) em setembro de 1954 com apenas vinte anos, morre Massako, a caçula da família em janeiro de 1955. Não bastasse isso, em novembro de 1955 falece o Sr. Takemori, chefe de família, acometido de terrível doença, na época fatal. Tinha somente 52 anos de idade. Por causa dessa enfermidade, a família foi discriminada e rejeitada. Sofreu preconceitos. Injustamente, mas aconteceram. Se foi difícil para o dinam (segundo filho masculino, com dezoito anos) repentinamente assumir o papel de chefe de família, como ditam as tradições japonesas, mais difícil foi para sua mãe Toyoko assumir o comando do destino de uma prole de dez pessoas, algumas ainda crianças. Comemorava-se na época o grande feito do Corinthians que foi o campeão paulista de futebol em 1954. Teria sido esse o motivo de toda a família Sato ser corintiana? Teria sido o Corinthians um oásis no meio de tanta tristeza que se abateu sobre a família? Ou o Corinthians resolveu ser campeão para alegrar um pouco a família?
Foi triste também o período em que sua mãe estava doente. Os últimos anos de sua mãe foram sofridos. Principalmente os trinta dias finais, quando ela estava agonizante no hospital. Era o ano de 1986. Testemunhei todo o drama da família. Sofri junto pois a sua mãe era uma pessoa boníssima, excelente sogra para mim. Contrariou todo preconceito pejorativo sobre sogra. Não resistiu às várias enfermidades falecendo em novembro de 1986. Dois anos antes, sua avó – obaassan Hatsuyo Hiramoto, tinha falecido. Em 1982, ou quatro anos antes, a família lamentara o falecimento precoce da sua cunhada Helena Sato e do seu cunhado Goroiti Tsujimoto. Satiko, foi realmente uma seqüência de anos muitos sofridos.
Momentos difíceis foram também quando o seu marido João teve aneurisma cerebral. Atendido inicialmente em Atibaia onde vocês residiam, ele foi removido para São Paulo. A delicada cirurgia teria que ser realizada em hospital com melhores condições. Lembro-me que eu acompanhei você enquanto os médicos faziam a cirurgia. Momentos de muita tensão, de muita agonia. Mas, felizmente a cirurgia transcorreu muito bem, e a recuperação foi totalmente bem sucedida.
Mas, a sua vida não foi somente sofrimento. Pelo contrário, foram inúmeros os momentos de felicidade. Felicidade que muitas vezes você construía. Com o espírito alegre e divertido você conseguia transformar a tristeza em felicidade. Foram muitas as tiradas cômicas que faziam mudar o estado de espírito dos que a rodeavam. Os mais sisudos não resistiam aos seus comentários com pitadas de humor. Talvez por causa desse modo divertido de viver, você era muito querida pelas crianças. Os meus filhos adoravam passar as férias em Atibaia. A sua presença em reuniões ou festas da família era a garantia de alegria e animação.
Para mim você era a onee-san (irmã mais velha) carinhosa e atenciosa. As suas perguntas e indagações eram não somente inteligentes, mas acima de tudo fraternas. A sua preocupação pelo outrem era autêntica, era altruísta. Lembro-me da pergunta inteligente que me fez quando eu me aposentei. Preocupada com o meu bem-estar indagou-me qual era meu projeto para o futuro. Fiquei muito sensibilizado pela profundidade dessa preocupação.
E assim, a sua vida transcorria na mais perfeita normalidade. Com alguns percalços esporádicos e momentâneos. Mas, eis que acontece a ....

FATALIDADE
Câncer no intestino com metástese no fígado. Era o diagnóstico que menos se esperava. Mas, era a dura realidade. Era o mês de junho de 2007. Para o ano seguinte esperavam-se inúmeras comemorações pelo Centenário da Imigração Japonesa. Mas, fazer o que...? Você teve que se submeter à cirurgia que retirou parte de seu intestino, obrigando-a a usar saco de colostomia. A dura rotina de tratamentos com cirurgias, quimioterapias, exames dos mais variados, remédios de diversos tipos. Tentativas com alternativas de tratamento na esperança de debelar a doença. Em vão. Dia após dia a sua saúde se debilitava. Creio que o sofrimento maior era ter que se locomover de Atibaia para São Paulo para fazer os tratamentos e exames. Ora semanalmente, ora quinzenalmente. A doença se alastrava em seu corpo. Sentia em seu rosto, a expressão da dor. Dor que você procurava esconder por trás daqueles olhos grandes que queriam sorrir. Mas que não conseguiam. Infelizmente, após um ano, em 20 de maio de 2008, você nos deixou. Você tinha apenas sessenta e três anos de idade, dez a menos que sua mãe quando ela faleceu. O destino levou você para a Eternidade. Deixou-nos orfãos do seu sorriso radiante, dos comentários hilários, do olhar penetrante e atencioso, do coração amável e fraterno. Ainda assim, sinto você bem perto de mim. Fecho os olhos, e vejo a figura de uma menina alegre com o olhar brilhante e o sorriso bem aberto nos lábios. Vejo a figura da mãe verdadeiramente materna, transmitindo todo o calor humano emanando do seu coração. Por isso eu peço a você, esteja onde estiver: CONTINUE IRRADIANDO ALEGRIA E FELICIDADE PARA NÓS. PARA A FAMÍLIA SATO E YAMANAKA. É NECESSÁRIO QUE A FELICIDADE PERMANEÇA NO SEIO DAS NOSSAS FAMÍLIAS.
KOKO NI SATI ARI = AQUI ESTÁ A FELICIDADE
AQUI ESTÁ A SATIKO!!!

20081212


Enviada em: 12/12/2008 | Última modificação: 12/12/2008
 
« Tadahide Misumi – trajetória de sua vida TADAHIDE MISUMI E SUA LUTA INTERMINÁVEL CONTRA AS DOENÇAS »

 

Comentários

  1. Cristiane Y Nakata (ex-escoteira falcão) @ 17 Jul, 2008 : 20:00
    Oi Takeshi! É a Cristiane... lembra de mim? Admiro a educação que dá para sua família... Abraços! Cris.

  2. Denise Misumi @ 30 Jul, 2008 : 00:42
    Tio, muito lindas as suas histórias! Nao consegui conter as lágrimas lendo "Conversando através do coração". Ainda me emociono relendo-a. Já pensou em fazer um livro contando essas e mais histórias?? Abraços, Denise

  3. Takeshi Misumi @ 3 Ago, 2008 : 18:08
    Denise, obrigadão pelos comentários. Fiquei muito satisfeito e feliz em saber que você se sensibilizou com os meus relatos. Aliás, o meu propósito em me expor neste espaço aberto pela Editora Abril foi tão-somente de tentar sensibilizar os descendentes, principalmente os jovens como você, sobre o sofrimento que os imigrantes passaram. Muito do que nós usufruimos hoje foi graças a eles. Todo o passado vivido e sofrido por eles não pode cair no esquecimento. Cumpre a cada um de nós desempenhar o papel que nos cabe. Quem, no presente, souber reconhecer o passado, saberá construir um futuro melhor. Quanto ao livro, até pensei no assunto. Mas, é um projeto muito grandioso para mim. Não sei se teria condições de realizar este sonho. Acredito que essa tarefa seria mais fácil, se for possível contar com a ajuda de outras pessoas. Abração.

  4. Julio Misumi @ 11 Set, 2008 : 19:11
    Oi Takeshi. Li o relato da mesa, em cima dela na chacara. Ao ler aqui, me emociona saber que ela passou por muitos momentos com a familia, bem antes de nascermos. Quantas conversas e refeições foram feitas nela, por nossos avós e seus filhos (nosso pais)? Quanta utilidade para varias gerações? Ela faz parte da familia e suas cicatrizes foram feitas por alguém da familia em algum momento. Representa bem o passado sofrido e a determinação que nossos antepassados tiveram, para que as futuras gerações (nós e nossos filhos) pudessemos ter uma vida melhor que eles. Obrigado pelo que voce faz pela familia e no que eu puder ajudar, conte comigo. Um abraço

  5. Filhos da Satiko @ 14 Dez, 2008 : 23:47
    Oi Tio, Que legal...Sim, ela tinha olhos grandes e um sorriso radiante, característica marcante dela...Ela era linda e foi uma mãe perfeita pra nós. Agradecemos a mensagem e tudo que vc e a tia fizeram por ela e por nós. Um beijão. Duda, Thie, Fabio e Livia

  6. mario katsuhiko kimura @ 14 Fev, 2009 : 15:48
    Sr. Takeshi, Sou leitor das historias contadas neste Site e agora sou também seu fã. O Sr. deveria ser contador de historia e não contador/administrador. A sua maneira de escrever, contar historia da família através da historia da mesa é de altíssima criatividade, mostrando ser uma pessoa erudita, sábia e inteligente. Acredito ter herdado os valores do seu falecido avô. Como disse um dos entes da família no comentário, o senhor deveria escrever livros. Parabéns e continue a escrever para todos nós. Grande abraço

  7. Julio Misumi @ 31 Mar, 2009 : 13:10
    Oi Takeshi. Eu acho que fui ao casamento da Tia Katsuko e poucas vezes a vi depois disso. Me lembro que durante muitos tempo meus foram iam a Jales visita-la. E tenho certeza que ela desafiou e venceu a morte por dezessete anos, pois meus pais diziam que ela os reconhecia a cada visita. Obrigado sempre e um abraço.

  8. Silvio Sano @ 1 Abr, 2009 : 02:38
    Prezado Takeshi, Depois de muito tempo sem abrir este site para ler as histórias dos colegas, "hisashiburini", fi-lo, tarde da noite de ontem, atraído por um leitor seu fora da família (o Mário Kimura, aí, logo acima). Daí, comecei pela leitura da Tia Katsuko. Contente pelo que fui contemplado, prossegui com as demais, debaixo para cima, porque sabia que a seqüência seria essa. A forma como as narra é muito interessante porque torna universais mesmo os seus mais íntimos personagens. Daí porque "tocou" ao Mário, a mim e, com certeza, a todos os que as lerem (não apenas parentes ou pessoas de seu círculo). Em alguns momentos também me emocionei e, por isso achei que não seria o momento adequado para deixar aqui o meu comentário. Conclui que seria injusto com vc, e que deveria fazê-lo sem que me deixasse levar pela emoção. Algo verdadeiramente sincero. Ou seja, para que o tamanho da satisfação que eu demonstrasse não fosse considerada exagerada devido a isso. Assim, aguardando, até este momento, de "cabeça fria", mas garantindo que a emoção pela leitura ainda permanece viva em mim, cumprimento-o principalmente pela sensibilidade e percepção em relação a outrem, que o levaram também a "conversar através do coração", e de forma a "tocar o fundo da alma" de seus leitores. Parabéns e um grande abraço.

  9. Silvio Sano @ 7 Abr, 2009 : 00:37
    Prezado Takeshi, O jeito que vc exagerou nos elogios, na verdade, só veio comprovar para mim, o quão criativo é para escrever textos (rsrs). Mas, agradeço pela parte não exagerada, que sei, foi sincera. E não apenas o parabenizo por suas virtudes, como, pela citação ao Mário Tomita, acabei ligando para ele, a fim de saber um pouco mais sobre a sua pessoa, mas sugerindo-lhe também para que publique algumas coisas suas no jornal. Ele concordou afirmando que, sendo pra vc, um dos primeiros assinantes dele, o faria com imenso prazer. Que tal atendê-lo então com um artigo, ou uma crônica, esporadicamente... pra começar? Não apenas ele, mas, nós também, leitores, ficaremos muito felizes. Yoroshikune. Abs.

  10. Edson Correa Porto @ 9 Abr, 2009 : 00:36
    E eu que pensei que vc só escrevesse relatórios; parabéns pela sensibilidade; vc sempre surpreendendo. Abraço

  11. Mario Katsuhiko Kimura @ 17 Jun, 2009 : 23:43
    Sr. Takeshi, Só o senhor consegue prestar homenagem aos idosos na forma acima transcrita. Isso mostra a sua grandeza, de ser uma pessoa culta, iluminada. Obrigado por proporcionar a este leitor o prazer de ler, sentir e também emocionar. Grande abraço

  12. Takeshi Misumi @ 16 Mar, 2010 : 07:51
    Teste

  13. Silvio Sano @ 16 Mar, 2010 : 09:34
    Olá, Takeshi-san. Bondade sua. Eu é que fiquei muito feliz com a sua presença e, bem como com a de sua esposa. E ainda bem que o Mário estava lá, né. Bom, aproveito para te solicitar para que veja como será o próximo livro. Link em http://www.youtube.com/watch?v=OfULKT3Beqk A propósito, conhece o Nikkeypedia? Lá vc tb poderá colocar a sua, de seus pais, avós e amigos, histórias. A minha está em http://www.nikkeypedia.org.br/index.php/Silvio_Sano

Comente



 

 

As opiniões emitidas nesta página são de responsabilidade do participante e não refletem necessariamente a opinião da Editora Abril


 
Este projeto tem a parceria da Associação para a Comemoração do Centenário da Imigração Japonesa no Brasil

Sobre o Projeto | Cadastro | Fale Conosco | Divulgação |Termo de uso | Política de privacidade | Associação | Expediente Copyright © 2007/08/09 MHIJB - Todos os direitos reservados