Olá, faça o Login ou Cadastre-se

  Conte sua históriaTsuneo Sano › Minha história

Tsuneo Sano

Fernandópolis, SP
107 anos, aposentado

Do Japão para o Brasil... até Fernandópolis


Nasci no dia 20 de janeiro de 1913, na província de Mie, no Japão. Sou o segundo filho de Tsuneichi Sano, que desembarcou, com nossa família, no porto de Santos, no dia 17 de julho de 1918, a bordo do vapor Wakasa Maru. A família veio composta por meus pais (Tsuneichi e Chiyo), quatro filhos (Tsuneshi,7; eu, 5; Tsunehiro, 3 e Tamao ,1) e um irmão de meu pai, o tio Yoshimi, 15, este para compor a cota mínima de mãos produtivas por família, pela lei de imigração (idade mínima, 12 anos) daquela época.

O Japão, exaurido pelas guerras contra China e Rússia, vivia uma crise econômica terrível, naquela época, além de contar com uma superpopulação. O povo passava fome, mas nossa família até que estava bem. Aliás, a província de Mie era uma das poucas que suportava o momento pelo qual passava o país. Por isso é das menos numerosas no Brasil. Mas, seduzido também pela propaganda enganosa dos “frutos de ouro” (café) no Brasil, e pelo que já ouvira falar das experiências japonesas no Havaí, meu pai resolveu vir para cá a fim de melhorar ainda mais a nossa situação. Ou seja, viemos em busca do enriquecimento.

A viagem foi longa. Pouco antes de aportarmos em Santos, nossa irmãzinha, Tamao, bebê, veio a falecer ainda no navio. Como sabiam que os mortos durante a viagem eram jogados ao mar, nossos pais conseguiram esconder o corpinho dela, de modo que conseguimos enterrá-la em terras brasileiras, num local chamado Fazenda Santa Olímpia, perto de Ribeirão Preto.

Foi na Hospedaria dos Imigrantes, em São Paulo, que experimentei, pela primeira vez, bacalhau, mortadela e batatinha, produtos que apreciei muito. Da Hospedaria partimos para a Fazenda Santa Olímpia e depois para a Fazenda dos Ingleses, ambas, próximas a Ribeirão Preto (SP). Nesse local, meu pai contraiu a febre amarela e foi internado na Santa Casa de Ribeirão Preto. Porém, como muitos imigrantes japoneses começaram a migrar para a Fazenda Mané Mato, próximo à cidade de Uchoa, o nosso pai também resolveu ir para lá, apesar de a doença tê-lo debilitado. Ele veio a falecer, mais tarde, nessa fazenda.

Nela, trabalhamos em sistema de parceria, com as famílias Koga e Okuma, por aproximadamente 1 ano. Na época eu já tinha 9 anos de idade. Com papai falecido, partimos para a Fazenda Córrego D’Anta, na região de São José do Rio Preto (SP), onde trabalharíamos, em sistema de arrendamento, por 6 anos. Mas permanecemos apenas 3, porque a renda prevista não condizia com as condições da terra. Com as economias que juntamos por todos esses anos de privações, ainda conseguimos comprar 14 alqueires de uma área próxima à Fazenda Córrego D’Anta, para o plantio de café. Mas, devido ao meu porte físico, pequeno e de frágil saúde para enfrentar as pesadas tarefas agrícolas, tio Yoshimi resolveu me levar para a cidade Onda Verde. Abrirmos um improvisado boteco, onde também residiríamos precariamente. Após 4 anos de intensa dedicação, nos saindo muito bem, resolvemos trazer os demais familiares para a cidade. Apenas Tsunehiro, 3° filho, ficaria na lavoura, cuidando de 2 alqueires, por precaução. Depois, com a venda de nossas terras, compramos um lote e construímos a primeira casa de secos e molhados da cidade, tendo ao fundo nossa residência, para abrigar toda a família.

Com a prosperidade vieram os casamentos, sendo que o Tio Yoshimi foi o 1° a se casar. A seguir foi Tsuneshi, filho mais velho. Apesar de casados, todos continuaram a morar na mesma casa. O 3° foi Tsunehiro, mas continuou morando no sítio. Nesse ínterim, o Tio Yoshimi resolveu partir para a cidade de Novo Horizonte para tentar novo empreendimento com a sua nova família. Daí, com 27 anos, comecei a me preocupar também com a busca por minha própria esposa. Foi quando o meu tio, agora morando na cidade de Barretos, trouxe-me a notícia da existência de uma linda e jovem japonesa naquela cidade, cuja família também procurava por um pretendente. Assim, fui a Barretos a fim de conhecê-la. E lá confirmei: “era linda mesmo a jovem Hanami!” A partir daí, o casamento começou a ser planejado. Minha próxima viagem para lá foi apenas para sacramentar o pedido. Casei-me e também continuei morando com minha mãe e o meu irmão Tsuneshi por aproximadamente 1 ano. Com o casamento de Tsunekissa, o 4° filho, eu resolvi abrir um bazar no mesmo quarteirão do estabelecimento da família.
Com imensa ajuda de minha esposa, Hanami, mulher delicada mas de muita fibra e força, que além dos afazeres da casa também cuidava do Bazar, comecei a me aventurar pela região como camelô, para aumentarmos a renda da família. Foi assim que conheci Vila Pereira e onde vi a possibilidade de prosperar lá. Voltando para casa, resolvemos, todos, migrarmos para a futura Fernandópolis. Em minha família, nessa época, já contávamos com quatro filhos: Arnaldo Tsunemi, Roberto Hideo, Nestor Junhiti e Reinaldo Tsunetoshi.


Enviada em: 01/02/2008 | Última modificação: 01/02/2008
 

 

Comentários

  1. Fabrizio N. Sano @ 3 Fev, 2008 : 01:48
    Olá a todos da família! Gostei muito de conhecer um pouco mais da história de Tsuneo Sano, meu avo ou Ojiisan e de todo o percusrso feito por ele e sua família até chegar a Fernandópolis que por sinal é minha cidade natal. E fico muito feliz mesmo em fazer parte dessa História que ainda vai render muitas linhas para ser contada aos netos(as), bisnetos(as) (um já está a caminho) e a todos os familiares. Um grande abraço Ojiisan e Obaasan, muitas saudades de todos. Fabrizio N. Sano

  2. MÁRCIA @ 5 Fev, 2008 : 01:40
    PARABÉNS, A TODOS DA FAMÍLIA SANO. OBRIGADA PELA LINDA HISTÓRIA, QUE SERÁ A PRIMEIRA DE MUITAS COM CERTEZA.´ MARI, CARLOS E FAMÍLIA. SAUDADES... BJS FAMÍLIA HONDA

  3. Sayuri @ 10 Fev, 2008 : 04:05
    Nossa! Estou emocionada com a história da nossa família... Tio, obrigado... Muito obrigado por compartilhar conosco tudo isto! A força com que vocês batalharam para sobreviver... É uma lição de vida para todos nós! PARABÉNS PELA VITÓRIA! Com certeza... Toda a felicidade do Mundo não seria o suficiente para compensar toda essa luta! Mas, é o que desejo de coração à você e a Tia. Obrigado pelos maravilhosos e inesquecíveis momentos da minha infância que pude desfrutar com vocês! Sayuri (filha do Plínio)

  4. Gikaa~* @ 27 Fev, 2008 : 15:47
    Nossa Sá eu fiquei super emocionada também com a história.Adorei saber um pouquinho de muitas histórias que virão da família Sano,da minha ORIENTADORA MAIS PERFEITA!PARABÉNS PELA BELA HISTÓRIA! ♥

  5. Sílvio Sano @ 23 Mar, 2008 : 14:43
    Caríssimo titio. O que mais me impressiona é essa sua vitalidade. Aquele que, dentre os irmãos era o menorzinho, o mais frágil, é quem está, não apenas vivíssimo, como, firme e forte, aos 95 anos de idade! Se bem que a pequenina tia Tamae, (~90?) tb, né. Desde tenra idade achava que o segredo sobre sua longevidade estava na cerveja Caracú! É que sempre tive gravada em minha mente a sua imagem vindo tomar a cerveja, com freqüência, no "missê" (venda) do meu pai. E como sei que ainda mantém esse costume, conclui por isso. Mas lendo sua história e conhecendo-o como conheço, concluo agora que o segredo está mesmo nesta relação harmônica e alegre com a titia Hanami, também firme e forte. それで、おじ様 と おば様、大変ご苦労様です。これからもお元気でね。

  6. ARI VIEIRA E FAMILIA @ 12 Abr, 2008 : 19:07
    TSUNEO SANO Sr.sano nós da familia Sano Vieira parabenizamos por todas as suas CONQUISTAS,LUTAS e VITORIAS em todos os tempor ,desejamos que isto tenha sido revertido em F E L I C I D A D E S

Comente



Todo mundo tem uma história para contar. Cadastre-se e conte a sua. Crie a árvore genealógica da sua família.

Árvore genealógica

Nenhuma árvore.

Histórias

Vídeos

  • Nenhum vídeo.

| mais fotos » Galeria de fotos

Áudios

  • Nenhum áudio.
 

Conheça mais histórias

mais perfis » Com o mesmo sobrenome

mais perfis » Com a mesma Província de origem

 

 

As opiniões emitidas nesta página são de responsabilidade do participante e não refletem necessariamente a opinião da Editora Abril


 
Este projeto tem a parceria da Associação para a Comemoração do Centenário da Imigração Japonesa no Brasil

Sobre o Projeto | Cadastro | Fale Conosco | Divulgação |Termo de uso | Política de privacidade | Associação | Expediente Copyright © 2007/08/09 MHIJB - Todos os direitos reservados