Olá, faça o Login ou Cadastre-se

  Conte sua históriaJun Sakamoto › Minha história

Jun Sakamoto

São Paulo / SP - Brasil
54 anos, empresário

A história dos pais


Meu pai veio muito contrariado para o Brasil. Meus avós já não gostaram muito que ele viesse. E, para os meus tios, foi meio “esqueceram a gente aqui”. Minha mãe sempre pedia para virem visitar, mas eles nunca demonstraram nenhuma intenção de vir para o Brasil. Então, nosso contato com o Japão acabou ficando muito distante. Eu não tenho essa referência que toda família tem. Nunca tive.

Meu pai chegou em 1960, com uns vinte e poucos anos. Veio através de um contato com uma pessoa muito importante na comunidade japonesa daqui, que era o senhor Kiyoshi Yamamoto. Ele era proprietário de uma fazenda chamada Tozan, e lá ele tinha um instituto. Queria trazer para o Brasil imigrantes japoneses com nível superior para começar a compor outro nível social aqui. Até então, só lavradores vinham para cá.

Dois anos depois, minha mãe veio. Casaram-se naquela igreja presbiteriana na Nestor Pestana e, em seguida, foram para Presidente Prudente (SP), onde meu pai montou um armazém de venda de materiais agrícolas com mais quatro sócios. Depois os sócios quiseram ir embora e ele montou a primeira loja dele, que se chamava Agrotécnica de Presidente Prudente. Nossa casa era em cima. Perto de 1970, ele comprou uma chácara e plantou uva. Logo depois, arrendou um sítio e plantou melão. Diz ele que foi o primeiro a plantar aquele melão amarelo no Brasil (veja esta e outras histórias nos depoimentos em áudio e vídeo).

Nesse mesmo ano, com o dinheiro da uva e do melão, meu pai resolveu ir para o Japão com a família toda. E fomos de avião. Da turma da Universidade de Osaka que veio para o Brasil – no total foram 60 pessoas –, ele foi o primeiro a poder voltar para o Japão naquelas condições. Ele foi considerado o mais bem-sucedido da turma. Era também uma forma de mostrar ao meu avô que ele havia feito uma boa escolha.

Foi nessa viagem que meu pai perguntou para a minha mãe se ela queria voltar para o Brasil. Se ela falasse que não, nós ficaríamos permanentemente lá. Mas a minha mãe disse: “Não, eu gostei do Brasil e gostaria de voltar”. Para ela, era também o lugar do sucesso. Eu percebi isso quando fui pela segunda vez a Nova York, com uns 25 anos. Depois de passar três dias procurando emprego de porta em porta, consegui uma vaga de ajudante de garçom. Meio ano depois, eu já era gerente do restaurante. Isso me fez dar valor ao espaço que eu conquistei.

Como meu pai estava sempre em contato com a colônia japonesa em Presidente Prudente, ele me colocou para jogar beisebol. O campo era afastado da cidade, do lado da fábrica da Bordon. Eu não me dava muito bem, era o patinho feio. Eu até gostava do esporte, mas não me enturmava. Um dia, desci do ponto de ônibus e resolvi não entrar. Fiquei o dia todo passeando e voltei para casa a pé. Fiz isso durante meses, até que meu pai descobriu e me mandou voltar. Acabei ficando uns quatro anos no time.

No meio da década de 70, meu pai resolveu plantar tomate no Paranapanema (SP). Na mesma época, meu irmão faleceu. Foi durante uma viagem a Foz do Iguaçu (PR). Quando chegamos ao hotel, ele teve um ataque cardíaco, caiu na piscina e morreu afogado. Ele tinha nove anos, e eu tinha dez. Depois disso, veio a geada que acabou com toda a plantação de tomate. Aí, falência total, dívida em banco. Meu pai vendeu a loja, a casa, a chácara, tudo. Acho que foi a época mais difícil da vida dele.

Depoimento ao jornalista Xavier Bartaburu
Fotos: Everton Ballardin e arquivo pessoal de Jun Sakamoto
Vídeos e áudios: Estilingue Filmes


Enviada em: 26/10/2007 | Última modificação: 31/10/2007
 
« Vida nova em São Paulo

 

Comentários

  1. madoka otsuka @ 13 Out, 2007 : 01:52
    Muito bacana o depoimento do Jun Sakamoto. Gostei de ler a trajetória do pai, da família toda, desde o Japão até as agruras em terra brasilis. Mas e depois da época mais difícil da vida do pai dele, e o resto da História? O pai, segue plantando tomates, melões????? História de vida, vale a pena ser contada... abraços Madoka

  2. tatnakata @ 26 Out, 2007 : 23:13
    A mãe do Jun Sakamoto, eu a conheci em Pres.Prudente, senhora muito simpática. Meu pai tinha um empório no Mercado Modelo e ela sempre ia fazer compras lá. (Empório Hiranobe, saudades daqueles tempos). Tatsue.

  3. martayobr@gmail.com @ 5 Nov, 2007 : 22:58
    Um pouco da sua história até que sabia, através da Mari Hirata, mas não sabia que o seu pai viera para o Brasil como kenshuusei para a Fazenda Tozan, através do meu avo, Kiyoshi Yamamoto...

  4. Yassuda Renato @ 9 Jan, 2008 : 16:57
    Prezado sr. Jun Sakamoto; Achei bastante interessante seu relato de vida, em particular o fato de que nossos ancestrais vieram da província de Kagoshima. Também fiquei curioso em saber se o município de Paranapanema que o senhor se refere é o mesmo onde atuo como gerente de uma cooperativa agro industrial. Se o senhor puder, po favor me envie mais detalhes. Aproveito para convida-lo a ler meu relato de vida também. Ficarei muito honrado.

  5. Kelly Nagaoka @ 18 Fev, 2008 : 16:21
    Oi Jun! Que história bonita! Fiquei emocionada! Bjs

  6. Telma @ 16 Ago, 2008 : 23:23
    É muito bom conhecer as histórias dessa "brava gente japonesa!" E sua história?! Deve encher de orgulho seus pais, como enche de orgulho a nós, descentes de japones. Engraçado, embora Presidente Prudente tenha uma grande concentração de japoneses e descentes, não me lembro de ter um restaurante japonês, pelo menos pelo tempo em que morei lá. Quando eu for a São Paulo (moro em Brasílía/DF)tentarei conhecer ao seu restaurante.

  7. REGINA CURY @ 14 Out, 2008 : 04:06
    .........PARABÉNS JUN SAKAMOTO!!! ..........Sua história é "ALTO-ASTRAL"!!! ...........Que "PAPAI do CÉU"...Te Cubra de Bençãos!! Meu Carinho, REGINA CURY www.altoastralnatv.com.br

  8. Mônica @ 19 Jul, 2009 : 11:34
    A história de vida da família de Jun Sakamoto, como de tantos outros emigrantes, é bem sofrida. Achei muito bonita a história! Quanto à colocação do Sr. Yamamoto, achei bem medíocre, se ele pretendia formar uma elite cultural aqui no Brasil, com certeza não o incluíram. Os emigrantes que saíram do Japão sempre foram mal vistos, mas como a própria família de Jun Sakamoto mostrou superação, e hoje vivem aqui como sua nova Pátria. O interesse de países mais desenvolvidos nunca é elitizar o subdesenvolvido e sim buscar novas formas de exploração mais rentável e produtiva. Mas pelo visto o Sr. Yamamotonão não aprendeu isso na escola em que ele frequentou: A escola de composição de novos níveis sociais no Brasil!!!

  9. Léo @ 7 Dez, 2009 : 01:29
    telma me desculpe mas em Presidente Prudente hoje temos 7 restaurantes japoneses e um deles é meu a cinco anos, se um dia vier visitar a cidade me faça uma visita para poder provar minha comida é claro que não chega nem aos pés do jun que é um dos melhores do mundo mas quebro o galho

  10. rico @ 23 Ago, 2010 : 12:50
    Jun, parabéns...mas você não é um sortudo na vida, sorte é quando cai e passa rápido. Você seria bom em qualquer coisa que fizesse. Sua escola foi além de qualquer universidade, você foi educado para ser vencedor desde pequeno, talvez mesmo nao sabendo...vivendo o nucleo da sua familia.

Comente



Todo mundo tem uma história para contar. Cadastre-se e conte a sua. Crie a árvore genealógica da sua família.

Árvore genealógica

Nenhuma árvore.

Histórias

Vídeos


| mais fotos » Galeria de fotos

Áudios

Sushi tradicional em ambiente moderno

Mãe de Jun aprendeu português vendo TV

 

Conheça mais histórias

mais perfis » Com a mesma Província de origem

 

 

As opiniões emitidas nesta página são de responsabilidade do participante e não refletem necessariamente a opinião da Editora Abril


 
Este projeto tem a parceria da Associação para a Comemoração do Centenário da Imigração Japonesa no Brasil

Sobre o Projeto | Cadastro | Fale Conosco | Divulgação |Termo de uso | Política de privacidade | Associação | Expediente Copyright © 2007/08/09 MHIJB - Todos os direitos reservados