Olá, faça o Login ou Cadastre-se

  Conte sua históriaHugo Hoyama › Minha história

Hugo Hoyama

São Bernardo do Campo / SP - Brasil
51 anos, atleta mesa-tenista

Formação no tênis de mesa


Quando eu tinha 8 anos, um amiguinho do kaikan (clube) me chamou para conhecer o lugar onde ele treinava [Estádio Primeiro de Maio, em São Bernardo do Campo]. Quando abri a porta do salão e vi os melhores jogadores batendo bolas rápidas, de efeito, me apaixonei pelo esporte.

O técnico, Maurício Kobayashi, viu que eu tinha talento, principalmente porque era canhoto. Então, desde os 8 anos de idade, eu treino firme o tênis de mesa. Eu saía da escola brasileira, ia para o kaikan estudar japonês e depois vinha para o Estádio Primeiro de Maio treinar, das 18 às 22 horas.

Quando entrei no ginásio, comecei a treinar de 7 a 8 horas por dia, geralmente das 14 às 22 horas. O Maurício exigia muita disciplina, colocava objetivos. Também dava punições. Eu gostava de treinar, mas também de bagunçar. Se fazia alguma coisa errada, ele dava castigo, 30 abdominais! Fez cara feia? 100 abdominais! A gente reclamava por instinto, mas sabia que ele estava certo, pois ele sempre mostrava o motivo da bronca. (Assista ao vídeo em que Hugo fala da importância da disciplina para sua carreira)

Naquela época, tinha um japonês ajudando a gente, o Sr. Kasahara. Foi um dos principais jogadores do Japão. Ele mostrou vídeos para o Maurício sobre como era o treino no Japão. O Maurício começou a implantar essas técnicas e dizia que se a gente treinasse firme, ele ia mandar a gente para treinar no Japão.

Em 1985, fui treinar no Japão, na Nihon Daigaku. Tinha 15 anos. Dormia no alojamento dos universitários e tinha que trabalhar das 9 às 15 horas. O treino era das 15 às 21 horas. Quase fui mandado embora, pois chegava atrasado. O chefe logo cortou meu barato. Eu obedeci na hora, pois não queria decepcionar meus pais e o Maurício. Eles confiaram em mim e eu não podia desapontá-los.

No começo chorava por estar longe dos familiares. Mas, depois, foi uma experiência muito legal. Eu era bem tratado pelos universitários, como se fosse aluno do primeiro ano. Até hoje sou amigo do capitão da equipe na época, o Sato Kei. Também não tive problemas com a comida, pois estava acostumado aos pratos japoneses em casa: o gohan, aquele arroz grudadinho, eu comia até no café da manhã.

Também fui jogar na Suécia [treinar no clube Ranas BTK, em 1988], para a Bélgica [clube Pantheon Royal Smash, de 1994 a 1996]. Em 1996, voltei para a Suécia [clube Falkenberg].

Minha primeira grande conquista no tênis de mesa foi nos Jogos Panamericanos de 1991, em Havana (Cuba). Cláudio Kano era o grande nome, um ídolo do tênis de mesa brasileiro, e eu o venci na final do individual. Nesse momento, me tornei o número 1 do Brasil.

Em julho de 1996, há 3 semanas das Olimpíadas de Atlanta (EUA), o Cláudio Kano sofreu um acidente de moto e faleceu. Foi duro, uma tristeza muito grande, pois o conhecia desde os 11 anos. Resolvi batalhar por mim e por ele na Olimpíada. E o nono lugar que obtive foi graças à força que ele me deu. Tenho certeza de que ele estava junto comigo, torcendo por mim.

Depoimento à jornalista Kátia Arima
Fotos: Everton Ballardin e arquivo pessoal de Hugo Hoyama
Vídeos e áudios: Estilingue Filmes


Enviada em: 01/11/2007 | Última modificação: 05/11/2007
 
« Nove medalhas de ouro no Panamericano Infância e juventude no kaikan »

 

Comentários

  1. Claudio Sampei (Mamoru) @ 1 Nov, 2007 : 20:26
    O Hugo, juntamente com o Kenji Marui e o Issamu Kawai são os responsáveis por eu não gostar de tênis de mesa. Ganhavam muito fácil de mim na época do nihongakko em São Bernardo... hehehe! Brincadeiras à parte, fico orgulhoso de ver alguém lá do kaikan de São Bernardo brilhando no esporte. Parabéns!

  2. Kazuhiro Uehara @ 24 Jan, 2008 : 17:24
    Parabéns pela dedicação. Lembro-me de do Claúdio Kano treinando em uma repartição da FATEC(Faculdade de Tecnologia)-SP, com os seus efeitos especiais na bolinha que não cansava de admirá-lo. Depois de alguns tempos apareceu voce, também com outros efeitos na bolinha de ping-pong. Fico feliz por testemunhar o início de sua carreira meteórica e ser referencia na sociedade brasileira. Obs.: Sou issei de Okinawa que desembarcou em Santos, em 1959, da mesma região de Okinawa do prof.dr.Kokei Uehara.

  3. Oswaldo Minamisako SJC @ 27 Fev, 2008 : 13:05
    Hugo, parabéns por todas as suas conquistas e principalmente sua conduta como homem humilde e simples. O único senão é ser palmeirense. Hoje o time que mais se aproxima dos "Nihons" é o SÃO PAULO FC. Por suas conquistas na terra do Sol Nascente. Abraços.

  4. nelsonsinzato@brturbo.com.br @ 24 Jun, 2008 : 17:25
    Banzai! Omedetô! Arigato! Hugo-san. É uma satisfação enorme ver alguém com nome japonês glorificar o esporte nacional. A satisfação é muito maior ainda em saber, pelo seu depoimento, que você é uma pessoa que honra e se orgulha de suas raízes. Parece que você vence pela Pátria e pela comunidade nipônica. O seu Palmeiras agora está em alta, mas o meu querido "Peixe", com certeza, dará a volta por cima.

  5. J. Cochlar @ 2 Jan, 2009 : 16:44
    Hugo, vc tem filhos? Ele se chama Bruno? jccochlar@gmail.com

  6. Sandro @ 20 Jan, 2010 : 17:36
    Tive a oportunidade de conhecer o Hugo de perto quando passei uma Temporada jogando no Pallet Ham na Belgica. Sempre o tive como exemplo de dedicação. Hoje trabalho em uma instituição que proporciona aos trabalhadores da industria a oportunidade de praticarem vários esportes, inclusive o Tênis de mesa. No qual todos estão baseados nos valores que o esporte pode trazer para a vida do indivíduo. E muito destes valores pude aprender com o Hugo Parabens e muito sucesso na sua vida Sandro Abrão

  7. Claudiane @ 7 Nov, 2010 : 03:27
    Nossa muito legal a história do Hugo.. e putz é um amor d pessoa, super educado, tive a oportunidade d conversar com ele na epoca q fui voluntaria dos jogos panamericanos aqui no RJ em 2007 e me surpreende com tamanha atenção e carinho... Parabens Hugo-san.. te admiro muito..

  8. adriano oliveira barroso @ 10 Fev, 2012 : 21:09
    Oi, meu nome e adriano oliveira barroso,So um grannde adimirador seu hugo, embora nao conheça tanta sua historia começei a gosta mais do tenis de mesa quando soube que um japones que migrou para o brasil esta, nos representando e fazendo muito susseço ;D embora tenho parado de jogar a uns 3 anos espero volta nesse ano de 2012 e vo treina como se nao ouveçe o amanha para tentar superar vc e todos os outros jogadores do mundo muita sorte para vc meu companheiro. espero te conheçer pessoalmente meu caro amigo desculpe ecomodar até um dia;D.

  9. adriano oliveira barroso @ 10 Fev, 2012 : 21:10
    Oi, meu nome e adriano oliveira barroso,So um grannde adimirador seu hugo, embora nao conheça tanta sua historia começei a gosta mais do tenis de mesa quando soube que um japones que migrou para o brasil esta, nos representando e fazendo muito susseço ;D embora tenho parado de jogar a uns 3 anos espero volta nesse ano de 2012 e vo treina como se nao ouveçe o amanha para tentar superar vc e todos os outros jogadores do mundo muita sorte para vc meu companheiro. espero te conheçer pessoalmente meu caro amigo desculpe encomodar ai,até um dia;D.

Comente



Todo mundo tem uma história para contar. Cadastre-se e conte a sua. Crie a árvore genealógica da sua família.

Árvore genealógica

Nenhuma árvore.

Histórias

Vídeos


| mais fotos » Galeria de fotos

Áudios

Os cantores japoneses preferidos de Hugo

Por que tantos nipo-brasileiros campeões?

 

Conheça mais histórias

mais perfis » Com a mesma Província de origem

 

 

As opiniões emitidas nesta página são de responsabilidade do participante e não refletem necessariamente a opinião da Editora Abril


 
Este projeto tem a parceria da Associação para a Comemoração do Centenário da Imigração Japonesa no Brasil

Sobre o Projeto | Cadastro | Fale Conosco | Divulgação |Termo de uso | Política de privacidade | Associação | Expediente Copyright © 2007/08/09 MHIJB - Todos os direitos reservados