Olá, faça o Login ou Cadastre-se

  Conte sua históriaEduardo Jun Marubayashi › Minha história

Eduardo Jun Marubayashi

São Paulo / SP - Brasil
47 anos, Executivo

Atravessando a Ponte


Março de 1998.
A primavera havia chegado e as flores forravam de amarelo as margens do rio Chikugo, em Fukuoka. Minha prima não conseguia parar de espirrar por causa do pólen, enquanto dirigia seu Honda velho até o asilo onde nossa avó estava. Estávamos indo para lá para me despedir, pois logo embarcaria de volta para o Brasil. De bagagem de um ano de bolsa de estudos eu levava um diploma de pós-graduação, muitos novos amigos, viagens pelas ilhas, mas nada comparável ao que experimentei naquele dia.
Encontrei a velhinha deitada numa cama. Os cabelos grisalhos estavam desarrumados, mas minha tia Junko os penteou carinhosamente. Ela não conseguiu se levantar, mas abriu um sorriso banguela para mim – algo que me lembrava demais o meu irmão Shigueto, quando ele havia perdido todos os seus dentes de leite. Continuou deitada, resmungando qualquer coisa. Ficamos nós cinco – tia, prima, enfermeira, avó e eu, conversando sobre um monte de bobagens por alguns minutos. Por todo esse tempo fiquei de mão dada com ela. Foi aí que minha tia lhe disse que eu estava indo embora para meu país, que eu estava lá para me despedir. De repente senti meus dedos apertados. Ela agarrou minhas mãos com força, mas não disse nada, só me olhava. Seu semblante, antes sorridente, ficara triste. Só quebrou o silêncio ao dizer que meu pai era um menino levado. Que no dia que ele partiu para o Brasil ela chorou o dia inteiro, sozinha, no arrozal. Que como ela não conhecera meu pai com minha idade – eu tinha 24, para ela o meu rosto era o rosto dele, que era como seu eu fosse o meu pai ausente. E que eu não podia ir embora.
Acho que eu até cheguei a pensar em dizer à minha avó que meus dedos estavam começando a doer, mas era tanto funga-funga no quarto que até eu comecei a funga-fungar. Aquela era minha família, as mulheres do meu pai antes de minha mãe e irmã. Uma família com quem jamais nós havíamos tido contato e com que eu tivera a oportunidade de conviver nos últimos meses.
Se minha bolsa valeu para algo, foi para eu ter aquele único momento com elas. Uma ponte entre dois países para uma mesma família.


Enviada em: 30/11/2007 | Última modificação: 30/11/2007
 
« Acampamento de escoteiro

 

Comentários

  1. Leli @ 29 Out, 2007 : 19:19
    Jun, belas histórias e experiências de vida! Seu modo simplista e nobre, ao mesmo tempo, me fez rir e chorar... Cara, minha admiração e respeito por vc só aumentam! Bjs

  2. Wander Yukio @ 12 Nov, 2007 : 17:31
    Jun, Tô emocionado !!! Muito bom Q o Chefão e seus ensinamentos são emoções das nossas vidas !!!

  3. Mário Q. Marubayashi @ 23 Nov, 2007 : 17:40
    Caro Eduardo! Muito bom o teu texto. Parabéns! Realmente muito emocionante a despedida da sua avó. Belas recordações. Abraços Amazônicos PVH-RO 23/11/07

  4. Elisa K. @ 26 Abr, 2008 : 12:59
    Sr. Marubayashi, ao discorrer seus textos, entremeados de justa dose de humor, me fez sorrir e apreciar muito suas histórias. Tendo crescido num bairro como o da Saúde, num microcosmo do que é o Brasil antropológico-cultural, e ainda, circundado por tantos vovôs, avuelos, nonnos e ditians, com certeza terá tido um crescimento muito rico e vasto. Afinal, somos todos deste mesmo caldo e cabe a nós tirar o que há de melhor de cada um deles. Abraços.

Comente



Todo mundo tem uma história para contar. Cadastre-se e conte a sua. Crie a árvore genealógica da sua família.

Árvore genealógica

Histórias

Vídeos

  • Nenhum vídeo.

| mais fotos » Galeria de fotos

Áudios

  • Nenhum áudio.
 

Conheça mais histórias

mais perfis » Com a mesma Província de origem

 

 

As opiniões emitidas nesta página são de responsabilidade do participante e não refletem necessariamente a opinião da Editora Abril


 
Este projeto tem a parceria da Associação para a Comemoração do Centenário da Imigração Japonesa no Brasil

Sobre o Projeto | Cadastro | Fale Conosco | Divulgação |Termo de uso | Política de privacidade | Associação | Expediente Copyright © 2007/08/09 MHIJB - Todos os direitos reservados