Olá, faça o Login ou Cadastre-se

  Conte sua históriaKaoru Ito › Minha história

Kaoru Ito

São Paulo / SP - Brasil
83 anos, artista plástico

A viagem ao Brasil durou 48 dias


De volta ao Japão, encontrei uns japoneses que viviam no Brasil e estavam de férias. Eles me falaram muito bem daqui, que tinha bastante comida, muita fartura. Eu me interessei. Não fiquei nem uma semana no Japão e já vim para o Brasil. Vim para ficar seis meses trabalhando. Em 1955, com 18 anos, embarquei no Burajiru Maru. Foram 48 dias de viagem. Uma viagem bonita, que ia parando em cada porto: Los Angeles, Canal do Panamá, Belém, Salvador, até Santos.

Chegando aqui, fui morar com uma tia que tinha casa no interior, em Parapuã (SP). Era perto de Bastos, e o trem da ferrovia Paulista passava por ali. Mas fiquei pouco tempo lá, uns quinze dias. E vim para São Paulo. Com a pasta de desenhos embaixo do braço e sem falar português, comecei a andar à procura de trabalho. Só me comunicava em inglês. Quando eu não conseguia me fazer entender, desenhava num pedaço de papel.

Uma agência de publicidade gostou do meu trabalho e me contratou como desenhista de aerógrafo. Era um salário bem alto. O que interessava pra mim era arranjar emprego pra ficar só seis meses. Mas, depois de três meses, vi que eu poderia ganhar mais se trabalhasse por conta própria. Naquela época, era pouca gente que trabalhava com aerógrafo no Brasil. E meu trabalho era um dos melhores de São Paulo.

Aí, fui ficando. Primeiro montei um estúdio na Vieira de Carvalho, depois em Pinheiros, depois no Butantã. Em 1963, o estúdio já estava grande. Eu tinha 37 desenhistas. Nós criamos umas sessenta e poucas marcas, algumas famosas: Café do Ponto, Nadir Figueiredo, Lopes, Camargo Dias.

Em 1978, uma grande empresa automobilística japonesa me convidou para trabalhar no Japão. Ofereceu muito dinheiro para que eu fosse lá desenhar carro. Depois de 23 anos fora, voltei para o Japão. Junto, levei a minha esposa e minhas três filhas. Tomei um choque. Eu achava que o Brasil estava bem, mas o Japão era outra coisa. Era tudo perfeito.

Fiquei 18 anos trabalhando nessa companhia, em Tóquio. Eu fazia catálogo, folheto, manual de instruções, tudo aerografado. Quando cheguei no 13º ano, o computador já estava dominando a praça. Meu serviço era pouco. Ao mesmo tempo, eu participava de vários concursos como pintor, já tinha vários prêmios, fazia exposições internacionais. Já tinha nome. Não sobrava tempo para trabalhar na empresa. No total, ganhei 168 prêmios em vários países. Prêmio grande, de terceiro pra cima, foram 68. No Brasil, nunca ganhei prêmio grande. Só menção honrosa. Aqui tem muita política, a escolha não é pela qualidade.

No Japão, fiquei outros 23 anos. Aí, eu me separei da minha esposa e fui para a Espanha. Queria ficar por lá, pintando. Comecei a construir uma casa perto de Barcelona. Quando vi que faltava dinheiro, vim para São Paulo vender uma casa que eu tenho. Mas eu não consegui vender. E, ao mesmo tempo, conheci Tereza e me enrosquei. Nós nos conhecemos por meio do meu sogro. Eu ia beber cerveja com ele no bar, nem sabia que existia a moça. Foi ele quem me apresentou a filha. E, assim, nos conhecemos, namoramos e casamos. Agora tem que ficar aqui, né?

Depoimento ao jornalista Xavier Bartaburu
Fotos: Carlos Villalba


Enviada em: 25/03/2008 | Última modificação: 04/06/2008
 
« Identidade: ser brasileiro e japonês Um samurai do aerógrafo »

 

Comentários

  1. Mauro Kyotoku @ 26 Mar, 2008 : 11:27
    Ito-san, o-miai moderno é com o sogro. "..... Nós nos conhecemos por meio do meu sogro. Eu ia beber cerveja com ele no bar, nem sabia que existia a moça. Foi ele quem me apresentou a filha. E, assim, nos conhecemos, namoramos e casamos"..... O-miai com o sogro(nakodo), seria ótimo se a moda pegasse. Ito-san, acertou de novo, este país seria melhor se os apadrinhamentos não funcionassem....."NO TOTAL, GANHEI 168 PRÊMIOS EM VÁRIOS PAÍSES. PRÊMIO GRANDE, DE TERCEIRO PRÁ CIMA, FORAM 68. NO BRASIL, NUNCA GANHEI PRÊMIO GRANDE. SÓ MENÇÃO HONROSA. AQUI TEM MUITA POLÍTICA, A ESCOLHA NÃO É PELA QUALIDADE. .." Aqui tem é "puxa saco" demais, Ito-san, desculpe-me pelo uso da expressão chula, mas não conheço outra melhor.

  2. Alessandro Cavalcante @ 28 Mar, 2008 : 06:58
    Essa bomba lançada contra o Japão foi a coisa mais covarde da humanidade. Mas o povo japonês não lamentou, seguiu em frente e hoje o Japão é uma potência e o seu povo é fonte de inspiração a todos os outros. Parabéns a colônia japonesa que aqui no Brasil criou raizes e pode nos trazer um pouco do Japão a este país. Admiro muito esta cultura e seu povo. Tão bravo,tão batalhador, tão disciplinado e honesto.

  3. camilo@celesp.com.br @ 28 Mar, 2008 : 09:04
    Parabens,muito boa reportagem,poderia ter mais espaços e mais perguntas.É muito bom escutar alguem que tenha passao pelo que Kaoro Itu passou,pra lembrarmos do nosso passado, e termos mais consciencia do que aconteceu.E pra nao esquecermos dessas burrices insanas que houveram.

  4. ? @ 28 Mar, 2008 : 09:31
    ninguem sabe mais esse japa é o Sr miague

  5. curumin @ 28 Mar, 2008 : 09:50
    essa foi boa Sr miague

  6. shinobi @ 28 Mar, 2008 : 10:25
    é lamentavel, o que ocorreu

  7. diego kaiohshin @ 28 Mar, 2008 : 10:55
    sim essa bomba teve um grande efeito de destruiçao e humilhaçao do povo niponico os estado unidos sem sempre tentando se destacar em cima de outro pais mais vuneravel como era o japao antigo . Mesmo antes apos a primeira guerra mundial alguns paises tentaram acabar c/as guerras criando a liga das naçoes q nao foi bem sucedida e fracassou c/inicio da segunda guerra mundial onde Adolf hitler causou milhares de vitimas , hoje algo similar a liga das naçoes existe a ONU e vem a nos perguntar ; sera q a ONU assim como a antiga liga das naçoes pod fracassar e iniciar uma nova guerra ? os estados unidos sendo uma grande potencial mundial tendo em seu pais grande apoio da ONU mostrou-se vuneravel e fraco c/ queda das torres e sofreu a dor na pele como nossos guerreiros niponico sofreram em suas maos . Mas o japao conseguiu ergue sua espada q sr Kaoru nao conseguiu ergue qndo era apenas um garoto e hoje o japao e um grande pais q nasceu das cinzas ! MAS tudo q aconteceu ate hoje simplesmente comprova q o ser humano ou seja o Homem nao pod dominar a si mesmo ou seja o homem nunca tera o controle total da humanidade , Alexandre o grande foi o q chegou mais proximo disso mas morreu muito jovem nao tendo o exito tanto desejado ! A ambiçao de poder do homem pod levar a sua destruiçao . sem mais DK

  8. Katia Suzue @ 31 Mar, 2008 : 10:19
    Olá, parabens pelo trabalho, vi suas fotos e achei maravilhoso seu trabalho, veja tambem meu perfil http://japao100.abril.com.br/perfil/368/ tambem faço umas pinturas japonesas, só que contemporaneas, e seria otimo se pudessemos trocar umas idéias. Caso se interesse entre em contato comigo pelo katiasuzue@gmail.com

  9. Nailson @ 7 Mai, 2008 : 00:51
    Parabéns ao Povo Japonês! trouxe muitas coisas boas pro Brasil, ensinou-nos a gostar de animê e passamos a conhecer o Budismo!!! Obrigado aos Japoneses!

  10. Lara @ 5 Jun, 2008 : 15:37
    gostei mto do depoimento... esses eventos foram de fato cruéis demais e, infelizmente, as pessoas ainda parecem mtas vezes preferir a via da discórdia... um depoimento como esse quem sabe não ajuda a amolecer o coração das pessoas! abraços a todos e Sr. Ito, obrigada por compartilhar um pco da sua história!

  11. Sílvio Sano @ 11 Ago, 2008 : 14:10
    Parabéns, Karou-san, por sua história de perseverança por um ideal, pelo exemplo de sempre buscar com ímpeto aquilo que deseja em prol do auto-conhecimento. Por isso sempre abriu suas próprias portas. A forma como aconselhou as filhas a ficarem no Japão também é um exemplo de que nada deve impedir nossas realizações. Até porque distâncias físicas não implicam em afastamento sentimental... fraternal, neste caso. Por isso elas continuam em seu coração. E parabéns também pela contribuição à exposição Hiroshima e nagasaki, no Memorial do Imigrante (SP)

  12. Maria Emilia @ 16 Jan, 2009 : 20:37
    Conheci o Ito num karaokê... Muito simpático!.. Aos poucos fomos nos tornando amigos e quando me dei conta, estava diante de um grande artista plástico! Admiro muito as suas obras e a sua versatilidade no emprego das técnicas de pintura.Também é importante mencionar a sua integridade de caráter! Aproveito a ocasião e atravez desse grande artista envio um abraço especial aos nihonjins pela grande colaboração ao desenvolvimento do nosso país. Obrigada e felicidades a todos! Da gaijin Maria

  13. Rildo @ 2 Abr, 2011 : 16:54
    Gostaria de saber onde ficA O ATELIE DO MESTRE KAORU

Comente



 

 

As opiniões emitidas nesta página são de responsabilidade do participante e não refletem necessariamente a opinião da Editora Abril


 
Este projeto tem a parceria da Associação para a Comemoração do Centenário da Imigração Japonesa no Brasil

Sobre o Projeto | Cadastro | Fale Conosco | Divulgação |Termo de uso | Política de privacidade | Associação | Expediente Copyright © 2007/08/09 MHIJB - Todos os direitos reservados