Olá, faça o Login ou Cadastre-se

  Conte sua históriaAdemar Osamu Abiko Junior › Minha história

Ademar Osamu Abiko Junior

São Paulo / São Paulo - Brasil
35 anos, Jornalista

A volta do que não foi


Quando pivete, odiava tudo que era japonês. A ponto de vomitar depois de ser forçado pela minha mãe a comer sushi, numa daquelas tentativas máximas de nutrir os filhos.

Minha aversão talvez tenha surgido no colégio, onde eu era o "china" e o "cdf que estuda com os olhos fechados". Criança, boba, liga para essas coisas. Ser diferente é problema nessa época da vida.

Daí, toma efeito a equação: preconceito + insegurança = negação, ou em outras palavras "menina japa é feia porque tem nariz de batata", "não gosto quando a bá(tchan) fala japonês comigo".

Assim como "bá" era um apelido de origem desconhecida, outras coisas japonesas faziam parte da minha vida, sem que meu escudo anti-Japão as detectassem. E seriados de super heróis eram uma delas.

Em tempos nos quais os pasteurizados Power Rangers não existiam nem nos pesadelos mais bizarros, os Changeman faziam a alegria das tardes pós escola. Griffon e Mermeid eram nomes comuns, apesar de nem se fazer idéia do que significavam. E tinha Jaspion, Flashman, Maskman, Jiraya, Black Kamen Rider. Este último, uma série forte, que chocou muita criancinha por aí porque dirigentes de emissoras de TV não tão espertos (ainda bem!) trataram o programa como infantil.

Tinha também os Cavaleiros do Zodíaco. A primeira vez que os vi estava zapeando a tv quando parei na extinta TV Manchete. "Meu, que desenho é esse!?. Um doido de armadura rosa tá estraçalhando o outro com umas correntes! E o cara que tá perdendo é de... capricórnio! Droga, bem o meu signo..." No dia seguinte fui contar a novidade pros meus colegas. Quase ninguém tinha visto. Deu uma semana, era a maior febre da escola. Deu um mês, do Brasil.

Mas e para ligar tudo isso com o Japão? Eles eram ainda desenho e seriado de super-heróis. Não eram anime e tokusatsu.

Ísso só foi acontecer mais tarde. Só por volta de 2000.

つづく


Enviada em: 14/01/2008 | Última modificação: 14/01/2008
 
« A volta do que não foi 2

 

Comentários

  1. Fabio Takeo Sato @ 15 Nov, 2008 : 11:39
    No cursinho constatei algo que atordoou. Um grupo de amigos bastante diversificados, no final do curso virou um grupo de japoneses, sem me dar conta andava só com japas... Deve ser parecido o que aconteceu com o Sr. Abiko.

Comente



Todo mundo tem uma história para contar. Cadastre-se e conte a sua. Crie a árvore genealógica da sua família.

Árvore genealógica

Histórias

Vídeos

  • Nenhum vídeo.

| mais fotos » Galeria de fotos

Áudios

  • Nenhum áudio.
 

Conheça mais histórias

mais perfis » Com o mesmo sobrenome

mais perfis » Com a mesma Província de origem

 

 

As opiniões emitidas nesta página são de responsabilidade do participante e não refletem necessariamente a opinião da Editora Abril


 
Este projeto tem a parceria da Associação para a Comemoração do Centenário da Imigração Japonesa no Brasil

Sobre o Projeto | Cadastro | Fale Conosco | Divulgação |Termo de uso | Política de privacidade | Associação | Expediente Copyright © 2007/08/09 MHIJB - Todos os direitos reservados