Olá, faça o Login ou Cadastre-se

  Conte sua históriaSara Mirie Watanabe Amorim › Minha história

Sara Mirie Watanabe Amorim

São Bernardo do Campo / São Paulo - Brasil
39 anos, Gerente de Soluções

O caminhão GMC e a família Watanabe


E a história começa há mais de 80 anos atrás em Fukushima Ken (Japão) com o nascimento de Tomoji Watanabe que em 2 de Outubro de 1933 chega ao Brasil com 7 anos de idade ....

Vieram para trabalhar na roça em São Paulo e ao longo de anos de trabalho foram economizando e mantendo a família...

Aos 29 anos em 1952 o Sr. Tomoji Watanabe compra o seu GMC 7-60. Com esse caminhão ele sustenta toda a família, 4 filhos e 2 filhas, sempre ensinando o valor dos estudos !!! Todos os filhos do Sr. Tomoji concluíram o ensino superior, trabalhando durante o dia e estudando à noite.

O GMC sempre esteve presente em todos os momentos, era um membro da família Watanabe...
O caminhão era quase um filho para o Sr. Tomoji. Todos os anos ele desmontava o motor e dava uma geral.

2003 foi seu último ano de trabalho, pois por transportar cargas perigosas (cloro, ácido, etc) para Santos, devido a idade do Sr. Tomoji - perdeu a licença para transporte desse material. Após ficar um ano sem trabalhar com o caminhão, em 25 de Abril de 2004 veio a falecer de um infarto. A perda é imensurável...

E como um samurai que nunca troca sua espada, o GMC continuou com a família Watanabe ...

Em Dezembro de 2006, após assistir o Lata Velha (da rede Globo) o Luiz (meu marido) teve a idéia de escrever a carta para o programa... A carta foi enviada somente em Janeiro e no final de Fevereiro a produção do Caldeirão do Huck entrou em contato conosco... Me ligaram para ver o caminhão, veio também uma pessoa da oficina do Lata Velha e me informaram que no dia seguinte iriam fazer um clipe do caminhão para levar ao Luciano Huck assistir e ele iria decidir entre outros 3 carros...
No dia seguinte, para minha surpresa, o próprio Luciano Huck foi até a casa do meu avô onde estávamos esperando somente a produção e mal sabíamos que a escolha já tinha sido feita...
E então começou a reforma do grande GMC !!!! É claro que as coisas não são tão fáceis assim. Teria que cumprir uma prova no palco do Caldeirão, no meu caso, iria imitar uma cena de luta do filme Kill Bill.
Passei uma semana sozinha no Rio de Janeiro ensaiando para a luta, foi super complicado, afinal de contas, nunca havia lutado na vida. Masss... valeria a pena as dores nas pernas, o roxo na costas e joelho, os dias inteiros de treino e a saudade de todos... O tempo passou rápido. A apresentação foi show e o GMC voltou para família mais lindo do que nunca !!!!!

Toda essa história uniu ainda mais a família, tios, tias e primos !!!


Enviada em: 08/01/2008 | Última modificação: 08/01/2008
 

 

Comentários

  1. Yassuda Renato @ 9 Jan, 2008 : 17:19
    Prezada Sara; Admirei seu relato de vida e a história do caminhão GMC de senhor Tomoji. Existiram diversos samurais famosos com o sobrenome Watanabe. Espero que você seja descendente de um deles. Aproveito para convida-la a ler meu relato também. Ficarei muito honrado. Obrigado.

  2. Renata Murakami @ 11 Jan, 2008 : 14:32
    Eu assisti esse programa! Foi show mesmo! Sua apresentação então, eu amei, mandou bem! Deu pra ver que vc é uma menina com bastante determinação. Ah! Conte mais sobre vc! Beijocas!

  3. Cesar Porto @ 12 Jan, 2008 : 16:58
    Parabés a toda familia Watanabe, isso prova a força e determinação dos orientais , melhor falando dos japoneses, parabés pela familia e por manter uma geração tão bem construida.

  4. Luciano Rodda @ 13 Jan, 2008 : 18:38
    Sou filho de italiano e sei quanto sofreram os imigrantes em sua chegada ao Brasil e principalmente aos japoneses que aqui vieram em 1908 onde encontraram costumesm alimentação, idioma, fuso horário, enfim, muita adversidade. Parabéns a esses vitoriosos e a Sara, uma gaijim de valor.

  5. Renata Murakami @ 2 Fev, 2008 : 15:35
    Oi Sara! Voltamos pra ficar e tentar a vida por aqui mesmo. Lá a vida é muito dura, fazendo 2 turnos, trabalhando por muitas horas. É só pra dar um salto na vida mesmo. Mas viver é por aqui mesmo, temos mais liberdade. Ainda estamos batalhando para nos estabilizar mas fizemos um pé de meia bom pra começar, investimos em imóveis e alugamos algum pra poder nos manter enquanto priorizamos outras coisas que consideramos importantes como estudo e reforma da nossa casa. Beijos!

  6. Ronaldo Rodriguez @ 3 Fev, 2008 : 20:46
    Sou neto de Espanhol ,mas fiquei muito sensibilizado com esta história ,emocionado mesmo !!! Hoje em dia necessitamos muito de exemplos como o de seu Avô , pessoas honestas que batalharam cumpriram sua missão aqui ,e deixaram um legado de altos valores morais ; muito trabalho estudo e idoniedade ! ao meu ver esta é a maior Herança que eles nossos Avós poderiam ter deixado para nós .Parabéns a toda a sua família!

  7. carlos caramelo @ 16 Fev, 2008 : 14:11
    muito obrigado pela falta de resposta... ou derrepente está muito ocupada!!! talvez... escreví um comentário e o enviei, sou filho de caminhoneiro (se alguém leu deve lebrar) perguntei se voce havia usado câmaras de ar como bóia em rios ou no mar pois quando criança me divertia muito assim já que elas quando ficavam sem uso para os pneus nós filhos assim aproveitávamos....também falei sobre meter a mão na graxa mergulhar sobre hoje de sua família e seu o GMC e participar da manutenção dele, pois para quem conhece caminhões gosta de faze-lo.... carlos caramelo...

  8. Renato Yassuda @ 11 Mar, 2008 : 16:02
    Prezada Sara; Li o seu relato no site do Jornal Nippo Brasil. Mais uma vez, obrigado por compartilhar suas histórias. Tanto lá quanto aqui no site da Abril, as histórias sobre seu avô e sua família ficaram ótimas. Parabéns!

  9. Issao Toyoda Kohara @ 23 Abr, 2008 : 08:08
    Olá,Sara.Meus parabéns pelos histórico familiar. Acompanhei a história do caminhão do seu avô no programa do Luciano. Torci pra caramba e deu certo, não é ? Ainda mais voce tb sendo do ABC. Tenho o histórico do meu avô tb aqui, que eu estou narrando. Estou em SCaetano e gostaria muito de conhecer este caminhão GMC, pois nós tb tivemos uma perua GMC, que ficou só na lembrança em fotos. Parabéns familia Watanabe.

  10. Issao Toyoda Kohara @ 17 Mai, 2008 : 21:13
    Oi, Sara. Muito obrigado por tido paciência de ter lido a minha história. Estamos em várias atividades em S.Caetano e inclusive amanhã Domingo -18.05.08 teremos um festival em comemoração da imigração japonesa na Pref.S.Caetano do Sul, no Espaço Chico Mendes, a partir das 10 hs. Após o almoço, minha mãe dança- rá e estaremos lá desde o almoço. Se der apareça por lá. Se der entre no orkut, pelo mesmo nome. Estarei no Pavilhão Vera Cruz em S.B.Cpo. Abraços

  11. Issao Toyoda Kohara @ 31 Mai, 2008 : 00:12
    Sara, conheci o seu Ninja, caminhão GMC, uma bela lembrança do seu pai. Trate com carinho, pois ela é muito importante para toda sua familia. Por este dias conheceremos pessoalmente. O M E D E T Ô.

  12. IZILDINHA ASSIS @ 8 Fev, 2009 : 19:25
    VALE LEMBRAR QUE APESAR DE NAO PODER MAIS DIRIGIR O CAMINHAO, QUE ERA SUA PAIAXÃO, ELE NAO DEIXOU DE CUIDAR DO GMC SEMPRE ARRUMAVA ALGUMA COISA PARA FAZER. SÓ QUEM CONHECEU E CONVIVEU COM ESSA PESSOA ILUMINADA PODE DIZER O QUANTO SENTE SUA FALTA.

  13. Bianca Carvalhal @ 22 Nov, 2010 : 12:48
    Olá. Eu vi a matéria quando passou. Não sei pq,hj eu me lembrei e pesquisei na net. Muito bacana. Um abraço, Bianca.

Comente



 

 

As opiniões emitidas nesta página são de responsabilidade do participante e não refletem necessariamente a opinião da Editora Abril


 
Este projeto tem a parceria da Associação para a Comemoração do Centenário da Imigração Japonesa no Brasil

Sobre o Projeto | Cadastro | Fale Conosco | Divulgação |Termo de uso | Política de privacidade | Associação | Expediente Copyright © 2007/08/09 MHIJB - Todos os direitos reservados