Olá, faça o Login ou Cadastre-se

  Conte sua históriaKelly Tiemi Nagaoka › Minha história

Kelly Tiemi Nagaoka

São Paulo / SP
37 anos, Jornalista e mesa-tenista

Conquistas no tênis de mesa


Jogo tênis de mesa desde os seis anos. Minha base foi formada com a ajuda de diversos técnicos. Um dos mais marcantes foi o técnico Maurício Kobayashi, que formou grandes atletas, como Hugo Hoyama e Cláudio Kano. Após conseguir bons resultados em torneios, aos 10 anos, fui uma das escolhidas para integrar o seleto grupo de atletas do treino da tarde da ADR Itaim Keiko.

Meus dois irmãos mais velhos, Luiz e Eric, começaram os treinos comigo, mas deixaram logo. Eu continuei. Sinceramente, acreditei que não iria agüentar. Ainda uma criança, treinava de segunda a sexta, das 14h30 às 19h. Nas férias, os treinos eram em dois períodos, incluindo o horário das 9h às 12h. Ainda tinha dias que antes do treino da manhã íamos correr no Parque do Ibirapuera. Na maioria dos fins de semana havia torneios. No começo também minha mãe Satomi era quem me incentivava e estava sempre comigo no torneio ao lado da amiga Minako Takahashi (presidente na época do clube), torcendo e me apoiando.

Os resultados foram aparecendo. Em 1993, aos 13, fui vice-campeã dos Abertos dos Estados Unidos. No mesmo ano, ainda na categoria infantil, consegui a vitória no Sul-Americano Infantil em Poços de Caldas (venci uma venezuelana na final) e a classificação para o Latino-Americano Juvenil, em Guatemala. Foi bom, pois ainda infantil consegui o 3º lugar no individual entre as juvenis. No ano seguinte, recebi o convite para fazer o estágio de três meses na companhia Butterfly em Tóquio. Adolescente, aprendi muito com as broncas dos japoneses em relação à disciplina e horário.

Em 1995, mais uma vitória no Sul-Americano Juvenil na Venezuela e novamente uma final contra uma venezuelana. Último jogo do torneio, lembro que estava muito cansada, e na semifinal contra uma argentina nem bater bola conseguia direito. Todos diziam que a campeã seria uma venezuelana. Parecia que já estava tudo certo. As venezuelanas tinham muito mais força e contavam com a ajuda da torcida da casa. Por isso, foi inesquecível vencer este torneio, que até rendeu matéria no jornal em que trabalho. Quem fez a reportagem foi o nosso atual editor, Helder Horikawa.

Na final, perdi o primeiro set e no segundo set perdia por 17 a 9. Pela primeira vez na carreira esportiva, recebi um cartão amarelo por demorar a sacar. Joguei ponto por ponto, busquei e venci por 21 a 18. No terceiro set, 21 a 14. Um dia de superação inesquecível!

Em 1996, surgiu mais uma oportunidade de crescimento. Fiz um estágio de dois meses em Xangai, na China. Eu e a mesa-tenista Ayumi Suenaga fomos as primeiras a iniciar o intercâmbio entre o clube Itaim Keiko e a China. O combinado era ficarmos um mês. Surgiu a oportunidade de poder permanecer mais um mês. Minha amiga Ayumi preferiu voltar e deixou o esporte logo em seguida.

Era um espetáculo ver os treinos das chinesas. Treinávamos de segunda a sábado, das 8h às 11h e das 15h às 17h30, e alguns domingos na parte da manhã. As garotas de 12 a 18 anos eram as melhores da região e moravam juntas. Estudavam somente uma vez por semana. Apesar desta dedicação, nenhuma chegou à seleção chinesa.

Morava na casa do técnico. Cerca de cinco meses depois da minha volta ao Brasil, consegui a classificação mais significativa de minha carreira: o Mundial na Inglaterra, em 1997.

Após viagens para mais de dez países e estágios na China e Japão, deixei os treinos diários no esporte quando iniciei a faculdade de jornalismo, em 2001.

Hoje ainda vou bater bola de vez em quando. É uma diversão que me acompanhará pelo resto da minha vida.


Enviada em: 17/02/2008 | Última modificação: 20/02/2008
 
« Livro Tênis de Mesa – Teoria e Prática

 

Comentários

  1. cirosaito@uol.com.br @ 20 Fev, 2008 : 08:41
    Kelly, Parabéns pelo seu depoimento neste grande mural. Vc representa muito bem os mesatenistas e esportistas em geral. Eu acompanho mais de perto o seu colega de esporte Diogo Kosaka e sei quanto suor é necessário para forjar um atleta de ponta. Com toda sua garra e perseverança vc será uma destacada profissional do jornalismo.

  2. Sílvio Sano @ 11 Mar, 2008 : 16:06
    Uau, querida Kelly! Que surpresa agradável, apesar de, com isso, acabar revelando o meu pouco conhecimento em relação a esse esporte ainda pouco difundido no Brasil. E olhe que já brinquei muito com esse esporte, quando adolescente, e sempre fui de acompanhar todos os tipos de esportes... inclusive xadrez que, este, nem jogar sei. E recordo-me de Biriba, Sérgio Kano, etc., já fiz uma charge de Hugo Hoyama e conheço bem os pais de Hugo Hanashiro. Mas fiquei muito feliz ao ler sua história, bem como entender essa sua "raça" que pude constatar certo dia, em um evento. Com certeza, vem lá da batian Marico e até da batian Oshie, por ter percebido que perdera uma grande chance de ter aprendido mais. Ou seja, que as oportunidades devam ser buscadas e plenamente aproveitadas quando surgidas. Parabéns, Kelly. Tenho certeza de que suas conquistas no jornalismo também serão tão gratificantes quanto foram no tênis de mesa. E tomara que isso aconteça mesmo... também para o bem de nós, leitores. Bj.

  3. Julio Miyazawa @ 17 Mar, 2008 : 20:35
    Nossa, Kelly... Te conheço mais como jornalista. Para mim foi muito bacana saber essa parte da tua vida. É uma verdadeira saga! Espero que você tenha relatado em algum lugar, no papel, no computador, detalhe por detalhe tudo o que viveu nesse periodo que você relatou. É importante anotar tudo. Sem mais, receba o meu abraço.

  4. Eric Akita @ 19 Mar, 2008 : 14:50
    Em meio à correria na cobertura dos Jogos Pan-americanos no Rio tive o prazer de conhecer a incansável jornalista Kelly Nagaoka. Depois, durante os contatos profissionais, tive a grata surpresa de conhecer um outro lado da Kelly, o da mesatenista: rico de experiências e, tenho certeza, alegrias. Kelly, parabéns pelos depoimentos aqui no site do Centenário e por seu excelente trabalho no Nippo-Brasil. Espero que esbarremos nesses eventos do Centenário... um beijo!

  5. Patrícia Yokoo @ 20 Mar, 2008 : 13:22
    Oii Kelly!! q orgulho hein! nossa, fiquei impressionada de conhecer um pouco + sua historia! PARABENS KELLY!! te admiro mto hein! saudades um grande bjo

  6. Vera Nishitani @ 20 Mar, 2008 : 17:01
    Oi Minha linda,Parabéns! Não conhecia este seu lado desportista e competitivo só mesmo o jornalismo(diga-se ainda,excelente profissional). E que garra em cima das venezuelanas hein!?, Fiquei surpresa,impressionada e bastante orgulhosa. Bjs

  7. Cristina Akiko @ 21 Mar, 2008 : 04:28
    Kelly! Parabens nao so por todas conquistas relatadas, mas tambem pela sua iniciativa em expor fatos que fazem parte da usa historia pessoal e do esporte que tanto gostamos - o tenis de mesa! Que venham muitas outras vitorias!!! Super beijo

  8. Diana K O Tajima @ 26 Mar, 2008 : 20:57
    Oi, Kelly! Ou Ti, como a chamo desde os primeiros anos de vida! Parabéns pela linda reportagem e por todas suas conquistas! Mulher de garra que sempre admirei desde criança! Fico contente por ter partilhado comigo alguns dos momentos mais difíceis (como sua estada aqui no Japão e na China)e também dos mais importantes (como o seu casamento)de sua vida!!! É um motivo de muito orgulho se sua amiga!!! Um beijão

  9. Valquiria Yoshizawa (kiki) @ 2 Abr, 2008 : 09:31
    Oi, Tiii Parabéns, prima!! Parabéns pelas conquistas! Reconhecimento e sucesso são apenas frutos de muito esforço, dedicação e amor. Fiquei muito contente em saber um pouco mais de você, da sua caminhada. Parabéns pelo exemplo de mesa-tenista e jornalista! um grande beijo!

  10. Issao Minami @ 7 Ago, 2008 : 19:17
    Kelly san que legal a sua tacada e a sua defesa. Muito me envaidesce agora. Parabéns Issao minami labim@usp.br

  11. Hélio Shimada @ 4 Set, 2008 : 13:02
    Oi Kelly, Parabéns pelas suas conquistas esportivas e pela sua história. Uma sugestão para a Kelly jornalista: uma matéria sobre a aguda falta de enfermeiros e médicos no Japão. Estão importando profissionais da Indonésia. Pode ser uma oportunidade para nisseis e sanseis. Beijo

Comente



 

 

As opiniões emitidas nesta página são de responsabilidade do participante e não refletem necessariamente a opinião da Editora Abril


 
Este projeto tem a parceria da Associação para a Comemoração do Centenário da Imigração Japonesa no Brasil

Sobre o Projeto | Cadastro | Fale Conosco | Divulgação |Termo de uso | Política de privacidade | Associação | Expediente Copyright © 2007/08/09 MHIJB - Todos os direitos reservados