Olá, faça o Login ou Cadastre-se

  Conte sua históriaIvi Paula C. da Silva › Minha história

Ivi Paula C. da Silva

São Paulo / São Paulo - Brasil
37 anos, Historiadora

Era uma vez uma não japonesa...


Algumas pessoas já me perguntaram se tenho alguma descendência japonesa, quando faço escova e meus cabelos ficam extremamente lisos, meus amigos japoneses juram que se não me conhecessem acreditariam que sou mestiça. Minha mãe me disse certa vez que, quando era um bebezinho todo mundo perguntava se meu pai era japonês... Mas apesar dos comentários – geneticamente falando – não tenho nada de oriental, muito pelo contrário... Nas minhas veias corre o sangue de índios (talvez daí o porque dos olhos pequenos e meio puxados), negros e portugueses.
Culturalmente falando já não posso garantir a minha não descendência (se me permitem assim dizer), afinal tanto na minha infância como nos dias de hoje, os descendentes da terra do sol nascente se fazem presente na minha vida constantemente; seja na minha casa, na faculdade, nas rodinhas de amigos, na rua, internet, TV...
O meu primeiro contato com a cultura japonesa foi aos quatro anos de idade. Havia uma simpática família de olhinhos puxados que morava na mesma rua que eu, o adorável casal tinha quatro filhos – dois casais – a caçula tinha minha idade (na verdade uns nove meses mais nova).
Como era filha única, minha mãe me colocou no prézinho para ter alguns amiguinhos e lá foi onde comecei a ter amizade com a Luciana, minha vizinha. Com o passar do tempo comecei a freqüentar sua casa e ela a minha, era muito divertido brincar com ela e o irmão que tinha um ano a mais do que eu e adorava implicar com nós duas.
Tinha contato freqüente com todos da família, menos o pai. Era difícil vê-lo em casa e por esse fato não consigo me recordar de seu nome (mas tenho claro em minhas lembranças seu rosto sério e calmo), lembro que certo dia Luciana veio com a notícia de que seu pai iria para o Japão trabalhar e não sabia quando ele voltaria, achei estranho e acabei por perguntar se o local era tão longe assim que eles não poderiam visitá-lo de vez em quando, foi então que sua mãe – a Tia Lúcia – me explicou que a Terra do sol nascente era muito longe de onde morávamos, ela ficava do outro lado do mundo e que quando era dia aqui no Brasil, lá era noite... Fiquei um pouco confusa, mas ao mesmo tempo empolgada, queria saber mais sobre esse tal país inverso.
O tempo foi passando e fui aprendendo um pouco mais sobre os costumes e cultura dessa família tão querida para mim. Lembro que, o pai da Luciana sempre mandava presentes do país nipônico para sua família e até mesmo eu fui incluída na lista dos que seriam presenteados. Eram tantas coisas lindas que ficava encantada, mas uma coisa que ficou bem marcada na minha mente foram os lápis de cor que ganhei... Aquele foi um presente especial, eles eram diferentes dos outros, pra mim os mais lindos que já havia visto e estão guardados até hoje.
Outra coisa que ficou bastante marcada foram as tardes que ficávamos assistindo os desenhos – claro, todos em japonês e sem nenhuma legenda – como a minha amiguinha não entendia a língua de seus ancestrais e muito menos eu, tentávamos entender e imaginar o que os personagens falavam, era muito divertido! Vez ou outra a tia Lúcia servia de intérprete para nós.
Foram muitas as coisas que aprendi com a convivência que tive com essa família: A comida é um bom exemplo, adorava aquele arroz que não era “soltinho” que nem o da minha mãe; o prazer de assistir a desenhos e séries (super sentais), até minha mãe parava o que estava fazendo só para ver comigo o Jáspion; a arte de estimular a mente fazendo origami, lembro que quando a tia Lúcia fazia pipoca eramos nós mesmos que dobrávamos os nossos copos de papel para colocar o nosso lanchinho... Tantas lembranças que estão muito bem guardadas e que jamais serão esquecidas.
E como era de se esperar os anos continuaram passando, sempre que tirava férias o pai da Luciana vinha visitá-los, ficava um tempo aqui e depois voltava para o Japão e nessa rotina as famílias foram crescendo... A tia Lúcia deu mais uma irmãzinha para a minha amiga e alguns anos depois eu finalmente ganhei um irmãozinho – agora não sou mais filha única.
Como o senhor do tempo não espera ninguém, a vida continua seu caminho... Todos vão crescendo e com isso mudando muita coisa, tanto a Camila (caçula da família de minha amiga) como meu irmão já não eram mais bebês de colo, já estavam começando suas vidas escolares e foi nesse momento que os pais de Luciana resolveram se mudar para o país nipônico e lá ficaram por alguns anos. Hoje eles moram aqui no Brasil mas, infelizmente perdi contato com a família... É uma pena, mas as lembranças que eles deixaram permanecem vivas dentro de mim.


Enviada em: 26/11/2007 | Última modificação: 27/11/2007
 

 

Comentários

  1. Gustavo Nomura @ 6 Dez, 2007 : 14:40
    Ivi! Adorei sua história! Não sabia disso. E no começo eu também achava que você era mestiça! hahaha De qualquer forma, você é uma japonesa de coração e isso já tá valendo! ^^ Bjos

  2. Chairim @ 22 Jan, 2008 : 05:12
    q historia bonita, é, a cultura japonesa sssim como seu povo conquista e nos deixam marcas e historias como essa! Parabens, adorei o texto e a form que vc colcou! beijos!

  3. Renato @ 22 Fev, 2008 : 14:45
    é engraçado como a cada dia que passa, mais e mais pessoas começam a gostar desse povo Oriental, é uma pena que no japão pouquissimos são os japoneses que conhecem o Brasil, ou mesmo que gostem de brasileiros

  4. Alê de Albuquerque @ 28 Mar, 2008 : 01:00
    Simplesmente surpreendente sua história. Muito legal.Realmente os japoneses têm um cultura muito interessante, só pecam pelo desrespeito aos brasileiros!! BJ!

  5. Renato Yassuda @ 28 Mar, 2008 : 17:26
    Prezada Ivi-san; Parabéns por seu depoimento e por compartilhar conosco. De uma maneira sinples e sincera você expressou muito sentimento e transmitiu para os que leram seu depoimento. Se puder, por favor leia também minha história. Apesar de ser descendente de japoneses, só vim a descobrir melhor a cultura japonesa recentemente e muito do conceito sobre o Japão fui descobrindo da mesma forma que você. No seu relato você diz que "nas suas veias corre sangue índio..." Existe um relato do sr. Renzo Morishita neste site intitulado "Eram os Indios, japoneses?". Se puder, sugiro que leia este relato que você achará interessante.Atenciosamente;Renato Yassuda

  6. Paulo Rogério Cruz @ 28 Mar, 2008 : 23:08
    Ivi, sou suspeito para comentar, porém trata-se de uma história de vida, onde você aprendeu a respeitar e gostar de coração. Sabe minha opinião sobre os orientais !! Fico triste por morarmos em um país tão bonito e grandioso e nossa verdadeira cultura ser trocada ou esquecida por emoções e sentimentos que não fazem parte do nosso povo. Sempre achei que deveríamos dar mais valor ao nosso país, ter um pouco mais de amor a nossa bandeira, talvez desta maneira seríamos um país melhor e mais justo. É uma pena que algumas pessoas tenham que atravessar fronteiras para serem felizes. Beijoca.

  7. Renato @ 2 Abr, 2008 : 14:12
    Rogério, concordo 10000% com vc! e fica um questionamento, será que temos que integrar outras culturas para sermos felizes? obvio que cada individuo é livre para ser felizes da maneira que mais lhe convir, eu sou descendente, mas tenho nada, ou quase nada dessa cultura, a qual eu admiro e acho muito bonita

  8. Luiz @ 27 Jun, 2008 : 21:36
    Oi, Ivinha!! Que história bonita, eu não sabia dessas coisas. Gosto dessas histórias da nossa infância que ficam tão marcadas que a gente nunca esquece, né? Quanto a cultura japonesa, não tem nem o que dizer, é fascinante. Acho que justamente por ser tão diferente da nossa! Gosto muito... especialmente da língua, ehehehe. Bjssss

  9. nelsonsinzato@brturbo.com.br @ 13 Jul, 2008 : 17:51
    Prezada Ivi, como nipo-descendente é extremamente gratificante essa sua bela integração com a cultura japonesa. Arigatô.

Comente



Todo mundo tem uma história para contar. Cadastre-se e conte a sua. Crie a árvore genealógica da sua família.

Árvore genealógica

Nenhuma árvore.

Histórias

Vídeos

  • Nenhum vídeo.

» Galeria de fotos

  • Nenhuma foto.

Áudios

  • Nenhum áudio.
 

Conheça mais histórias

mais perfis » Com o mesmo sobrenome

 

 

As opiniões emitidas nesta página são de responsabilidade do participante e não refletem necessariamente a opinião da Editora Abril


 
Este projeto tem a parceria da Associação para a Comemoração do Centenário da Imigração Japonesa no Brasil

Sobre o Projeto | Cadastro | Fale Conosco | Divulgação |Termo de uso | Política de privacidade | Associação | Expediente Copyright © 2007/08/09 MHIJB - Todos os direitos reservados