Olá, faça o Login ou Cadastre-se

  Conte sua históriaCarlos Akira Kato › Minha história

Carlos Akira Kato

São Paulo / SP - Brasil
54 anos, Adm. Empresas

Você já levou um "guenkotsu" do "Dityan"?


Tomei conhecimento deste fantástico trabalho da Editora Abril há poucos dias. Confesso que já fiquei algumas madrugadas lendo inúmeros depoimentos, histórias da imigração e histórias familiares muito engraçadas.

De tanto ler, a imaginação me remeteu aos meus tempos de infância e de coisas pitorescas e engraçadas que lá vivemos.

Você já levou um "guenkotsu" na cabeça? (Guenkotsu é um tostão com as mãos cerradas na cabeça, que dói muuuito). Esta frase me faz lembrar de um grande amigo, Massatoshi, ou somente Massa, cujo avô gostava muito, ao final da tarde, fumar aquele cigarrinho.

Quase todos os dias brincávamos no quintal de sua casa, e quase todos os dias, nos deparávamos com o seu avô pedindo para que ele fosse buscar o seu cigarro. Sempre entretido com as brincadeiras que estávamos fazendo, corria o Massa ainda meio que distraído e trazia somente o cigarro. De imediato tomava um "guenkotsu" na cabeça e o seu avô gritava... "bakayarôôô"... como eu vou fumar um cigarro se você não traz também o cinzeiro e o isqueiro? "Ki ga tsukan ná... konno Boozu"

É... são os velhos ensinamentos da educação japonêsa. Você desde pequeno era ensinado a pensar adiante e ser sempre perfeito, não errar e se dedicar muito, mesmo que saia sangue..... e tudo isso, sempre sem reclamar uma só palavra. Não era assim? "Ki ga tsuitá ká?"


Enviada em: 09/02/2008 | Última modificação: 10/02/2008
 
« A Shindo-Renmei para a nossa Família Você sabe o que é "Tchan Tchan Ovo"? »

 

Comentários

  1. Sílvio Sano @ 8 Fev, 2008 : 10:25
    Parabéns, prezado Akira, por sua postura mesmo diante de um fato trágico para a família, mas muito relevante enquanto informação histórica, e que só vem a contribuir para um melhor direcionamento de qualquer grupamento humano. Embora, infelizmente, isso nem sempre venha ocorrer efetivamente. Mas sua postura é muito louvável e devia servir de exemplo ao governo japonês que insiste em esconder de sua história as atrocidades cometidas no passado contra povos asiáticos. Basta entender que tudo aquilo ocorreu em uma época advinda de uma formação milenar e militar, de um país que se "trancou" por mais de 2 séculos e, portanto, sua revelação serviria de exemplo para que no futuro não mais ocorresse. As armas, agora, são outras, é verdade, mas não as atitudes. O resultado até de batalhas intelectuais pode ser tão trágico quanto aquelas do passado.

  2. Carlos Akira @ 9 Fev, 2008 : 02:52
    Olá grande escritor Silvio San. Acredito que não fez relação do meu nome com a minha pessoa. Já nos encontramos muitas vezes nos eventos da comunidade japonêsa, principalmente nos tempos de JCI Brasil-Japão, onde tive a grande oportunidade de ser Presidente em 2002. Espero ter a oportunidade de conversar sobre este assunto com você. Pelo que tenho observado, tem acompanhado muito as matérias que estão surgindo dia-a-dia neste site. Eu estou achando isso tudo uma grande oportunidade de resgatarmos a nossa rica história dos 100 anos de imigração. Abraços,

  3. Sílvio Sano @ 9 Fev, 2008 : 13:05
    Prezado Akira. Na verdade, tinha comentado em casa que sua feição me era familiar, mas como já "quebrei a cara" com isso, já viu, né... E, já que se lembrou do "genkotsu", vou te contar o que recebia de minha mãe quando aprontava: "beliscão rotativo" (este termo inventei agora - rsrs). Ou seja, ela apenas dava-me um beliscão na nádega seguido de um "giro" rápido na mão. Bastava um. Ai! Até senti a dor, agora. Esperta ela, porque valia mais do que uma tremenda surra e, ainda por cima, não se cansava. Abraços. PS: 2ª, na JCI, posse 2008.

  4. Luci @ 25 Fev, 2008 : 10:20
    Carlos, um "Biba!" ao "seu chan-chan ovo" da Batian, qdo este ainda não havia sofrido mutação. Meu pai me preparava um "chan-ovo", que nada mais era que o ovo cru com shoyu, quebrado sobre um gohan quente. Se ele estivesse vivo, certamente não o faria nestes tempos de transgênicos, e se negaria a enriquecer a multinacional Monsanto! Muito obrigada pela visita. Abraços, Luci

  5. Renato Yassuda @ 3 Mar, 2008 : 08:01
    Prezado Kato-san; Parabéns por seus excelentes relatos. Agradeço também sua consideração em me enviar seu comentário em minha página. Fiquei muito honrado por ele. Lhe enviei uma mensagem onde faço um comentário mais extenso.Obrigado por compartilhar conosco seus excelentes relatos.

  6. Renato Yassuda @ 31 Mar, 2008 : 07:43
    Prezado Kato-san; Mais uma vez seus relatos são motivo de elogio. Gostei muito deste sobre o saquê. Assim como você, vim a apreciar melhor esta bebida de alguns anos para cá. Na verdade já o apreciava em algumas ocasiões, mas sem maiores conhecimentos a respeito. Devemos respeitar as formas adequadas de beber o saquê de acordo com a ocasião oportuna (quente ou frio).Congratulações.

  7. Carlos A. Kato @ 5 Abr, 2008 : 09:45
    Obrigado pela sua mensagem. Estarei enviandoa você um material interessante sobre sake, abraços, Carlos

  8. Sigueru Oscar Matsuda @ 13 Abr, 2008 : 21:52
    Caro Akira, creio que o Tchan Tchan ovo não é receita particular da sua familia, há até um tipo de concurso culinário em Tokyo, onde juntam-se amigos e há um campeonato da melhor receita do Gohan com ovo cru. Em casa, o Ditian(Por coincidência Kato porém ,de Bauru), após o ovo no Gohan, e mexido com shoyu, adicionava-se mortadela picadinha, por falta de ingredientes na época. E o natô com ovo? Bastos também tinha a fiação de seda BRATAC- Meu tio, Takati Kato, morou muito tempo nesta cidade.Att Oscar

  9. Carlos A. Kato @ 18 Abr, 2008 : 00:54
    Olá Oscar, como no relato da Luci Suzuki, eu também gostava de colocar ovo batido com molho shoyu por cima do gohan quente meio "papado", mas o tchan tchan ovo era feito caprichosamente pela minha avó. Esse era especial. Quanto à família Kato de Bastos, meu avó Yotaro Kato tinha uma fábrica de futon e depois uma fábrica de leques para brindes "utiwa". Não sei se tenho parentesco com o Sr. Kato que mencionou. Um grande abraço, Carlos

  10. Rita de Cássia Arruda @ 3 Mai, 2008 : 12:13
    Prezado Akira: Adorei ler seus depoimentos. Você, ao mesmo tempo em que consegue ser divertido - muito espirituoso mesmo - passa igualmente a seus leitores muita emoção ao falar de episódios tristes de sua vida; sem contudo ser amargo. Obrigada por dividir conosco suas memórias. Um abraço.

  11. Carlos A. Kato @ 3 Mai, 2008 : 16:26
    Olá Rita, obrigado pelos seus comentários. Vou te confessar que escrever neste site me faz muito feliz, pois enquanto vou escrevendo, não paro de rir, lembrando das coisas engraçadas e que fazem parte da cultura japonêsa. E o mais legal disso, é que outras pessoas também se divertem com tudo isso. É estimulante e sempre que tiver um pouco inspirado, vou tentar contar as muitas histórias que vivi na minha infância/adolescência na "pitoresca" cidade de Bastos - a Capital do Ovo e das Moscas. Abraços, Carlos

  12. Antonio Minoru Katayama @ 5 Mai, 2008 : 20:52
    Carlos, como voce sabe, tambem sou filho de granjeiro, só que de Guararapes. E quando voce escreveu sobre moscas, muitas moscas, uma infinidade de moscas com tamanha maestria, conduziu-me de volta à minha infancia... cercada de moscas! Um grande abraço.

  13. Carlos A. Kato @ 8 Mai, 2008 : 12:50
    Minoru-san, como você mesmo disse, também sou filho de granjeiro e vivenciei tudo isso. Seu depoimento ratifica a veracidade das minhas histórias das moscas. Por mais um pouco, acho que já poderia voar de tanto engolir moscas. Acho que também a nossa saúde é sempre boa por já engolirmos muito delas, ou seja, engolir moscas faz bem à saúde. hehehe. Abraços, Carlos

  14. Milton Shintaku @ 24 Jun, 2008 : 15:47
    Muito legal lembrar do Yokan da Confeitaria Takahashi, uma das mais saborosas lembranças de infância (apesar de não ser de Bastos, sou goiano) abraços, milton

  15. Carlos A. Kato @ 24 Jun, 2008 : 17:27
    Olá Milton Shintaku, obrigado por prestigiar o meu site. Pelo jeito, já passou por Bastos e saboreou esta delícia de chá yokan da Confeitaria Takahashi. Lembro de uma família Shintaku em Bastos, acho que o nome dele era Edson Shintaku, cujo apelido era "São Shintaku" de Edson. Eles tinham uma casa de baterias de carro. Um abraço, Carlos

  16. Milton Shintaku @ 25 Jun, 2008 : 14:37
    Edson é meu primo, mas eu sou da parte goiana da família. Ainda tem Shintako (assim mesmo não é erro de grafia, mas de cartório) e Shintakus ai em Bastos. Grande Abraço, milton

  17. Carlos A. Kato @ 26 Jun, 2008 : 15:59
    Legal, se encontrar com ele, mande um grande abraço. Sou conhecido lá em Bastos como Akirinha, filho do Katinho. Abraços, Carlos

  18. mario katsuhiko kimura @ 9 Jan, 2009 : 16:06
    Caro Carlos Akira Kato, O seu nome e suas historias estavam em evidência na primeira pagina do Site da Abril, talvez por obra do destino fez com que eu abrisse a sua pagina para ler o seu relato ¨Você já foi a uma festa em Bastos?¨ Confesso que gostei tanto que acabei lendo todas as histórias por você contadas. Pelos relatos pude conhecer um pouco de você, de Bastos, da comunidade nipônica da região, esportes praticados e principalmente saber que você é uma pessoa de alma limpa, batalhadora, vencedora, que cultua os ensinamentos deixados pelos entes originários da Terra do Sol Nascente. Vi certa similaridade de sua vida com a minha no tocante de tornar órfão de pai ainda jovem, embora o ramo de atividade de meus pais não era na granja. Apesar de suas criticas com relação a alguns costumes, há de reconhecer que com sofrimento da perda que ocorreu desenvolvimento, embora precocemente, de sua responsabilidade como tionan e acredito que foi fundamental no seu crescimento como pessoa. Mostra que foi campeão de basebol e muito aprendeu com o esporte. Quanto ao chan cham ovo, eu conheci como tiri tiri meshi. Aprendi depois de velho a apreciar o saquê, porém confesso que meus conhecimentos são poucos (conheço somente Daiiti e Azuma Kirim) e já acho saboroso. Gostaria de receber as marcas mais apreciadas para aprender um pouco dos segredos do saque. Guenkotsu do meu diitian não levei, no entanto, convivi com o mesmo dos nove aos quatorze anos, muito aprendi inclusive com suas repreensões. Quanto ao Shindo-renmei, fase ocorrida antes do meu nascimento (1950), tive relato que o meu pai foi participante ativo desse grupamento, portanto fez parte da ala assassina do seu bisaavô. O meu avô e a minha mãe eram contrários, porém o fanatismo e a teimosia do meu pai em hipótese nenhuma aceitava que o Japão tivesse perdido a guerra. Muitas atrocidades foram praticadas por esta ala.

  19. Carlos Akira Kato @ 10 Jan, 2009 : 00:36
    Sr. Mário Kimura. Agradeço imensamente pelas palavras. Desde as primeiras palavras que escrevi neste site, sempre me senti à vontade para escrever mais e mais histórias e experiências vividas. Vivi em Bastos até os meus 22 anos e toda a minha formação educacional e cultural foi feita em Bastos. Uma cidade muito enraizada pela colonização japonesa que até hoje cultua os ensinamentos dos antepassados. Já entrei no seu site e prometo que farei a leitura de suas histórias. Quanto ao sakê, na sua cidade de Curitiba, irá encontrar no mercado municipal, nas lojas de conveniência japonesa,várias marcas de sake originalmente japoneses. Fica a minha indicação dos sakes da marca HAKUSHIKA, que tem a maior variedade aqui no Brasil. Um grande abraço e quem sabe conheça meus parentes que hoje residem na cidade de Curitiba. Meu tio Yoshinobu Kato, ficou muito conhecido na comunidade japonesa em Curitiba, pois após aposentar, ficava diariamente sentado na dependências do mercado municipal e conversava com todos. Faleceu há 4 anos atrás. Carlos

  20. Takeshi Misumi @ 12 Jan, 2009 : 19:08
    Meu caro Carlos Akira, Ao ler o seu artigo “Alguns Costumes da Cultura Japonesa – Uma Dura Realidade” me identifiquei com você. Eu também sou “tyonan”. E mais, sou “tyonan” de “tyonan”, isto é, meu pai também era primogênito. Não tive a desventura de ter sobre as “costas” tamanho peso precocemente como aconteceu com você aos onze anos de idade. Meu pai faleceu quando eu já era homem formado. Tive muito tempo de aprendizado com ele. Mais do que simplesmente um pai, ele foi um mestre para mim. Concordo com você que realmente alguns costumes da cultura japonesa são cruéis. Ao longo da minha vida tive muitos momentos de contrariedade que aconteceram pelo fato de eu ser “tyonan’. É bem verdade também que em muitas ocasiões fui privilegiado em relação aos meus irmãos. Considero privilégio o fato de ser “tyonan”, vez que graças a essa condição tive que em muitas ocasiões superar dificuldades até em nome dos meus irmãos e porque não da própria família. E, essa necessidade de superar desafios me fez crescer como ser humano. Pelo que pude deduzir da leitura de suas histórias, você é um vencedor, apesar de ainda ser um jovem de 42 anos. Parabéns pelas suas realizações, apesar de ter sido obrigado a “carregar a cruz” desde criança. Parabéns a você também por resgatar tantas histórias importantes da família. Conheço seu tio Nobuhiko Wakiyama por quem tenho uma grande admiração. Tenho o privilégio de participar de muitos jantares e eventos que ele organiza. É um grande amigo e um verdadeiro lider.

  21. Carlos A. Kato @ 13 Jan, 2009 : 01:45
    Sr. Takeshi Misumi, fico feliz pelos seus comentários e penso que com poucas palavras, conseguimos buscar memórias de lutas de muitas pessoas, me fazendo entender que todos tivemos muitas e muitas experiências de vidas, algumas realmente muito duras, mas que no final, todos somos vencedores. A família de minha Mãe também se tornou orfãos de Pai e Mãe muito cedo e eles tiveram que se separar para cada um morar em casas de parentes. Época de muito sofrimento, mas também de muitas memórias que realmente fizeram cada um dos irmãos serem as pessoas que hoje são. Venceram na perseverança e dedicação, criando seus filhos de forma modesta mas com muito carinho. Apesar de todas as experiências que já vivi, sei que são ainda muito poucas comparadas aos meus Pais, que viveram em épocas onde tudo era muito difícil, mas que graças a Deus, todos puderam deixar seus legados. Um grande abraço e feliz também por saber que conhece meu Tio Paulo, uma pessoa também muito batalhadora e que sempre dedicou aos seus familiares e amigos.

  22. Renato Yassuda @ 13 Jan, 2009 : 07:21
    Prezado KATO Carlos Akira-san; Muito obrigado pela informação e sua atenção. Fico honrado com sua dedicação. Aproveito para lhe desejar meus sinceros votos de um Novo Ano de muita saúde, paz, realizações e prosperidade. Estou retornando de férias ao trabalho e um dos emails que me alegrou o dia foi o enviado por você. Grande abraço; Renato Yassuda

  23. mario katsuhiko kimura @ 21 Jan, 2009 : 08:44
    Caro Carlos, Obrigado pela dicas de saque. Registro aqui meus cumprimentos pelos seus relatos. Parabens. Continue a escrever as historias e estorias que com a sua capacidade narrativa será capaz de até escrever livros. Grande abraço

  24. mario katsuhiko kimura @ 25 Jan, 2009 : 19:19
    Caro Carlos, Comprei hoje uma garrafa do saque Hakushika no Mercado Municipal e apreciarei numa primeira oportunidade, numa ocasião especial. Grande abraço e obrigado.

  25. Marco Antonio Leite Brandão @ 2 Jun, 2009 : 08:40
    Carlos ... Tudo bem ? Gostaria de sugerir a possibilidade de se obter apoio para um relançamento da obra musical de Ichiro Wakiyama. Trata-se,de fato, de uma página singular da história da imigração japonesa no Brasil ... Abraço Marco Antonio Leite brandão

  26. Carlos A. Kato @ 3 Jun, 2009 : 11:33
    Olá Marco Antonio, obrigado por prestigiar o meu site. Não tinha pensado nesta possibilidade de remasterizar do disco original, mas minha Mãe fez uma regravação com novos arranjos da música Kouguen no Hana de autoria de meu avô. Foi gravado na voz dela em formato de CD. De qualquer forma, vou pensar na sua sugestão. Obrigado. Carlos

  27. Guilherme Yagui @ 6 Jun, 2009 : 11:36
    Olá Akira parabéns pelo modo como conta suas histórias curti muuuuito,quanto ao "guenkotsu" nunca levei do dityan,mas meu pai vivia me dando então conheço bem! >_<

  28. Guilherme Yagui @ 6 Jun, 2009 : 11:44
    Olá de novo estava acabando de ler suas histórias e vi aquela "Alguns costumes da cultura japonesa - Uma dura realidade" e sei exatamente como se sentiu,pois hoje tenho 11 mas perdi meu pai aos 9 anos de idade e meu avo me disse a mesma coisa.Gambatteyo!

  29. Carlos Akira Kato @ 7 Jun, 2009 : 01:41
    Olá Guilherme, obrigado pelos seus comentários em meu perfil. Fui até o seu e li a sua história. Pelo jeito ela é muito rica e vai aqui o meu incentivo para que continue a escrever. Hoje eu já tenho 43 anos, já se passaram 32 anos do falecimento do meu Pai, muita coisa já aconteceu e também muito da cultura japonesa mudou, mas ainda aconteceu com vocês há apenas 2 anos. Mas siga em frente, as dificuldades sempre aparecerão, mas o que importa é que esteja sempre com saúde. Isto é o mais importante. O resto vc supera. Abraços, Carlos

  30. hiromu umino. @ 25 Mai, 2010 : 17:33
    Carlos Akira Kato. é conheço sua familia, se não me engano vc é descendente dos Kato da secção Saude, onde nos anos 50 até 70 moravam naquela secção..meu avô Takeo Umino era visinho , então nas ferias sempre estava em Bastos, pois morava em Dracena sp. e passava as ferias de escola lá no sitio do avô . bons tempos. parabens pelo site.

  31. Carlos Akira Kato @ 26 Mai, 2010 : 20:35
    Olá Sr. Hiromu Umino. O sr. está correto. Sou descendente da família Kato que residiu na Seção Saúde. Sou filho do Yoshiharu Kato, caçula da família, mas que já faleceu há mais de 32 anos. Meu avô Yotaru Kato e sua esposa Toyo Kato, após mudança para a cidade, passou a confeccionar os "futons" de algodão e também tinha uma fábrica de leques promocionais para brindes de empresas. Hoje, em Bastos, reside somente o meu tio Yoshitaka Kato. Os demais integrantes da família estão no Paraná ou já faleceram. Abraços, Carlos

  32. hiromu umino @ 29 Mai, 2010 : 14:06
    Oi Carlos Akira. pois fico contente de ver seu site, pois também nasci em Bastos em setembro de 1948. Nas férias de escola lá pelos idos de 1960 sempre passava la no sitio do oditian. Meu pai Hideo Umino o mais velho dos filhos de Takeo , pouco antes de se casar com minha mãe, coindentemente de sobrenome Kato. que na época de 1940 mais ou menos moraram na secção monteiro, então meu pai foi trabalhar na Fiação de seda Bratac como motorista de caminhão e lá conheceu minha mãe. e depois de se casarem moraram na cidade de Bastos e meu pai continuou o trabalho de motorista de caminhão talves sendo um dos pioneiros no transporte de cargas de Bastos a São Paulo,naquele tempo levava galinha (haike) de Bastos até o frigorifico Wilson em São Paulo onde passava quase uma semana entre ida e volta. e em 1956 Mudamos para Dracena Sp e ainda com caminhão sempre e nos anos de 1969 adquirimos uma granja de ovos e mudamos para Tupã sp onde moramos até hoje e em 2007 desativei a granja de ovos. e. por isso conheço seu tio pai do Lincon. o ilustre vereador Paulo Koojiro Kato..outro dia conto mais. um abraço.................

  33. Marcia @ 24 Jun, 2010 : 17:09
    Olá Carlos... por acaso vc é filho da Miyoko Kato?

  34. hiromu umino @ 18 Jul, 2010 : 15:29
    hoje a tradicional festa do ovo de bastos.. .... 18 de julho 2010. 51 festa do ovo.

  35. Carlos Akira Kato @ 18 Jul, 2010 : 18:23
    Oi Márcia, sim, sou filho da Miyoko Kato. Você nos conhece? Abraços, Akira

  36. Carlos Akira Kato @ 18 Jul, 2010 : 18:25
    Olá Sr. Umino, hoje terminou a tradicional Festa do Ovo. Minha Mãe está lá e deve retornar segunda-feira. Ela foi com a turma da Seção Saúde. Vai todos os anos para lá na época da Festa. O Sr. é pai da Lina Umino? Abraços, Akira

  37. hiromu umino @ 21 Jul, 2010 : 14:37
    Olá Carlos Akira. Vc sumiu. Mas vamos lá, Lina Umino ë minha prima. Este ano a festa do Ovo sempre a mesma coisa, Não é como antigamente, quando tinha o Shibai, ao ar livre um frio de bater o queixo, . Mas são os tempos modernos. Voce é primo do Eduardo Takaki ? Agronomo em Bastos. bom até mais, sayanora.

  38. carlos Akira @ 21 Jul, 2010 : 17:51
    Sr. Umino, a Lina fazia parte de um grupo de amigos que numa determinada época, andamos juntos na nossa adolescência. Não sei se hoje ela já casou, nem também tenho mais contato. Quanto a Festa do Ovo, minha Mãe foi esse ano e reclamou também que não estava legal. Os tempos vão mudando e a cultura tradicional vai se perdendo. Por isso achei muito legal este site para registrar um pouco da história da colonização japonesa no Brasil. Não sei se está em SP, mas se mora aqui, podemos marcar algo para nos encontramos e conversar um pouco mais sobre Bastos. Abraços, Carlos Akira.

  39. Carlos Akira Kato @ 21 Jul, 2010 : 18:21
    Quanto ao Eduardo Takaki, somos apenas parente. A mãe dele é prima do meu Pai, mas eu estudei junto com o irmão dele, que se chamava Shigueyuki. Não sei onde ele está agora. Abraços, Carlos

  40. hiromu umino. @ 26 Jul, 2010 : 13:46
    boa. Carlos akira. Sou nascido em Bastos, portanto sou bastense, agora moro em Tupã sp bem ao lado de Bastos. e como tinha atividade de avicultura de postura até a pouco, conheço de nome quase todos os antigos moradores de Bastos pelo sobrenome. Quanto a Lina minha prima hoje está casada morando em sampa. bom outro dia comento mais. sayonara.!

  41. Marcia @ 26 Jul, 2010 : 14:43
    Olá Carlos! Na verdade eu não os conheço...mas pelo que minha mãe me disse...nós somos primos...Já tive o sobrenome Wakiyama.

  42. Carlos Akira @ 27 Jul, 2010 : 06:57
    Oi Márcia, se você for quem eu estou pensando, somos primos sim. Você tem uma irmã chamada Cristina Keiko? Você já esteve morando em SJC não é? Conheceu um amigo de nome Takao Abe? Seu puder, me escreva no e-mail carlos.a.kato@terra.com.br. Abs., Akira

  43. Marcia @ 27 Jul, 2010 : 15:21
    Pois então...sou filha "biológica" de Paulo Nobuhiko Wakiyama...seu tio...portanto...sua árvore genealógica está incompleta...rsrsrs

  44. Carlos Akira Kato @ 27 Jul, 2010 : 19:09
    Oi Marcinha, na realidade eu não me esqueci de vocês não. Quando eu estava fazendo a árvore, eu até tinha colocado, mas estamos tão distantes que eu acabei retirando, mas acho que cometi um grande erro. Pois vocês fazem parte da nossa família. Independentemente de tudo que se passou, somos Primos. Por muitas vezes entre os primos da primeira geração, nos pegamos pensando em como vocês estariam. Pode ter a certeza de que sempre pensamos em vocês com muito carinho. Me escreva. Akira

  45. Cristina keiko @ 28 Jul, 2010 : 12:52
    Graças à Deus todos estamos bem. Então, nossos nomes serão acrescentados? Afinal somos filhas do primeiro casamento,e querendo ou não, fazemos parte da árvore genealógica dos Wakiyama.

  46. Eduardo Wakiyama @ 30 Jul, 2010 : 19:56
    ora, ora, ora.. coincidências da vida propiciadas pelo fantástico mundo cibernético (e também pelo nosso querido figuraaaassa brimo Akira) . Prima Keiko, recebi com muita felicidade tua msg via orkut e, olha só, hoje mesmo estive com o "brimo" Akira comentando sobre este fato. Tentei te responder no orkut mas não foi possivel devido a opção de privacidade que colocou. Pls entre em contato (eh.wakiyama@uol.com.br). Abcs, Dinho.

  47. hiromu umino. @ 31 Jul, 2010 : 10:45
    Boa tarde Carlos Akira. Há varias familias antigas de Bastos que hoje não moram mais em Bastos, mas mantem uma certa convivencia com o pessoal. De certa forma tem uma maneira legal de proporcionar a todos um encontro de alegria e por que não nostalgia de saber que o parentesco tem a ver com suas raizes, origem cultura e saber de todos de uma maneira saudavel e amigavel. Pois há familias que estão promovendo encontros da familia e muitos já estão no terceiro quarto encontro. Nela buscando gincanas, também arvore genealogica, fotos antigas e recentes, pois isto traz a todos buscar a unidade e como não a fraternidade entre os parentes. Mas aproveitando o seu site (saite) proponho a todos a ideia dos encontros e reencontros.Já no ano passado teve o encontro dos alunos da escola São Jose de Bastos. e aos poucos vai aumentando a adesão a tal reencontro. Mas por hoje é so um abraço. Hiromu Meu email antonio.umino@yahoo.com.br. OK. tchau.

  48. Tatiana @ 3 Set, 2010 : 19:06
    nossa q bom q tem esse site q fala da minha cidade querida.q sinto muito saudades,nasce e morrei em Bastos 11 anos e mudei pra Goiânia.Nunca me esqueço das pessoas q são bem acolhedoras..amo Bastos

  49. hiromu umino @ 11 Set, 2010 : 16:17
    Oi. Carlos, Nos dias 04 05 06 de setembro Houve em Bastos. sp. o Primeiro encontro dos formandos do GEPTOK. Ginasio Estadual Tsuya Ono Kimura dos anos de 1960 a 1972. com aproximadamente 500 pessoas,. Encontrei seu primo Miti, irmão do Lincoln, Seu tio Paulo Koojiro. O sabado dia 4 de setembro começou com a entrega de camisetas e do crachá, e com fotos da turma e logico da abertura oficial com a presença de autoridades na quadra do ginasio e com as fotos dos presentes do evento de 1960 a 1972. Houve plantio de Ipê nas duas escolas, pois houve troca de escolas Aguia de Haia e o Tsuya. A noite jantar e baile. No domingo missa, apresentação do videos dos formandos durante o almoço. e bate papo durante o almoço. e a noite jantar com karaoke e novamente fotos no palco do Kaikan. No domingo houve gincana (undokai) e depois do almoço no golf club. e as 22 horas despedida do pessoal do onibus de Sao Paulo. Foi muito bom o reencontro do pessoal, nostalgia saudades do tempo de escola e esperamos um novo reecontro des ta maravilhosa turma Bastense em que os tempos passa mas a amizade fica entre nos...Vamos esperar por mais um novo reencontro. Ok.

  50. Carlos Akira Kato @ 4 Out, 2010 : 15:49
    Olá Hiromi Umino, não tive acessando este site por um tempo e só agora vi o seu recado. Eu soube do encontro e vi muitas fotos tanto no site do www.bastosja.com.br como num arquivo virtual publicado pelo Mazurka, não sei se lembra dele, mas acho que o nome dele é Carlos Kenji Ikeda. Vi as fotos e vi muita gente conhecida, mas como tenho uma diferença de idade razoável para o pessoal, reconheci aqueles que eu tive mais contato. Muitos deles eu não lembro mais ou não os vejo há mais de 30 anos. Gde. abraço, Akira

Comente



 

 

As opiniões emitidas nesta página são de responsabilidade do participante e não refletem necessariamente a opinião da Editora Abril


 
Este projeto tem a parceria da Associação para a Comemoração do Centenário da Imigração Japonesa no Brasil

Sobre o Projeto | Cadastro | Fale Conosco | Divulgação |Termo de uso | Política de privacidade | Associação | Expediente Copyright © 2007/08/09 MHIJB - Todos os direitos reservados