Olá, faça o Login ou Cadastre-se

  Conte sua históriamarcelo tamada › Minha história

marcelo tamada

São Paulo / São Paulo - Brasil
53 anos, Jornalista

Um garoto sansei


Estudei num colégio alemão, mas fiz nihongaku. Comia arroz e feijão, sem desprezar o missoshiru. Adorava jogar futebol. Meus finais de semana eram no Coopercotia, jogando tênis e futebol e dando muita risada. Saudades!
A origem japonesa influenciou inclusive a vida profissional. Estava no terceiro ano da faculdade de jornalismo quando entrei na Fundação Japão, no edifício Kyoei, em plena Avenida Paulista. Foi um choque de culturas!
Jô Takahashi, meu chefe direto, teve muita paciência comigo. Aprendi muito com ele e com aquela equipe muito especial - Yuko, Marina e Michiko - além do diretor Harumi Nakajima, um japonês fora de série que aprendi a admirar.
Depois, formado, entrei na imprensa nikkei. Trabalhei em dois jornais. No International Press, jornal voltado para os dekasseguis, e no extinto Jornal Paulista. Adorava trabalhar no bairro da Liberdade. Conheci melhor a colônia japonesa, num misto de deslumbramento e decepção.
Dessa época, aprendi que independente onde você more, trabalhe ou faça, são as pessoas que fazem a diferença.


Enviada em: 13/01/2008 | Última modificação: 13/01/2008
 
« Futebol: o maior craque de olhos puxados

 

Comentários

  1. Sílvio Sano @ 15 Jan, 2008 : 12:04
    Bom, o Rivelino confirmou que o drible elástico é criação de Sérgio Echigo, o que é muito bom... e é verdade! Eu o vi jogar e posso acrescentar, neste depoimento do Marcelo, que o Sérgio só não foi titular do Corinthians, naquela época, porque tinha um Bataglia na sua vida, ou melhor, na sua posição (ponta direita~- ainda existe isso?). Mesmo assim, tinha minhas dúvidas sobre quem deveria ser o titular. Teve também o Tigrinho (Jorge Yoshimura?), mas apareceu apenas na comunidade nikkei e, assim como Sérgio, foi para o Japão antes da J-League, se não me engano, exatamente para o Yomiuri. Acho que ambos, hoje são comentaristas e têm suas escolinhas de futebol. Bom, mas quem pode confirmar isso é o próprio Marcelo. Agora, para mim, o melhor foi o Sérgio Echigo. Valeu, Marcelão!

  2. Ana Paula @ 24 Jan, 2008 : 18:58
    Marcelo! Escrevi um texto hoje e não sabia que "te acharia" aqui tbm !!! hihihi. Como é a vida, né?! Nos conhecemos na infância, acho que até chegamos a brincar um pouco juntos, nos cruzamos no Coopercotia algumas vezes e agora vemos nossos filhos convivendo diariamente na escola, no mesmo clube, nas atividades de férias, estreitando a cada dia uma amizade tão pura, tão bonita! Realmente são as pessoas que fazem toda diferença do mundo aonde quer que a gente vá, onde quer que trabalhemos, onde quer que vivamos. Valeu!

  3. Kátia @ 24 Jan, 2008 : 23:05
    Tamada foi meu primeiro grande mestre no jornalismo! Teve paciência para me explicar o beabá dos textos e da apuração, quando eu era muito inexperiente. Obrigada pelo primeiro empurrãozinho que deu em minha carreira! Abraços!

Comente



Todo mundo tem uma história para contar. Cadastre-se e conte a sua. Crie a árvore genealógica da sua família.

Árvore genealógica

Nenhuma árvore.

Histórias

Vídeos

  • Nenhum vídeo.

» Galeria de fotos

  • Nenhuma foto.

Áudios

  • Nenhum áudio.
 

 

 

As opiniões emitidas nesta página são de responsabilidade do participante e não refletem necessariamente a opinião da Editora Abril


 
Este projeto tem a parceria da Associação para a Comemoração do Centenário da Imigração Japonesa no Brasil

Sobre o Projeto | Cadastro | Fale Conosco | Divulgação |Termo de uso | Política de privacidade | Associação | Expediente Copyright © 2007/08/09 MHIJB - Todos os direitos reservados