Olá, faça o Login ou Cadastre-se

  Conte sua históriaAlexandre Yuzo Maruoka › Minha história

Alexandre Yuzo Maruoka

Belém / Para - Brasil
42 anos, fotógrafo

Minha vida de dekassegui


A fotografia surgiu em minha vida desde pequeno, quando uma tia minha tia chamada Olga, por perceber que eu gostava de fotografar, mesmo na época tendo por volta de 11 anos, me chamou para fazer um curso relâmpago de três dias com um fotógrafo da cidade. Para ser sincero não me lembro de quase nada o que aprendi naquela época(rs). Mas o fato é que com o passar dos anos, tive diversos outros interesses na vida que me fizeram distanciar dessa arte.
Aos 17 anos de idade, por um impulso da adolescencia resolvi me aventurar na terra do sol nascente, ou melhor resolvi largar os estudos que talvez poderia me proporcionar um futuro melhor, pela insegurança de trabalhar em uma fábrica, onde eu ganharia um salário razoavelmente bom e se sabe lá de repente, poderia fazer alguma coisa tipo vender pastel ou ter um comercio de bugigangas do paraguai. Bom mas a questão é que por um impulso que até hoje não consigo me lembrar dentro de minha mala veio um livro de um fotógrafo francês, não, não é do Bresson(rs). Bom, de qualquer forma é um livro de fotografia e dos melhores, pois ensina técnica e arte da fotografia.
Porém ao chegar no Japão, meus interesses forma outros, como a da maioria dos adolescentes que vem ao Japão: discos, festas, games, ou melhor curtição, hoje entendo quando muita gente se diz arrependida do que deixou de fazer, pois gostaria de trocar os meus momentos de curtição do passado por um pouco mais de conhecimento e cultura, pois este ano farei 30 anos que estou no Japão, isso mesmo 13 anos de Japão, e querem saber o que tenho! Um montão de problemas, pois não sei, e não sei se serei capaz de algum dia administrar minha própria vida. O que sei fazer? Trabalhar, acho que como a maioria dos chamados dekassekis que vivem no arquipélago. Bom alguns anos atrás através de um senhor que se tornou um amigo querido, sr. Matsuo Sato, aprendi a amar e a me dedicar de coração a arte de fotografar. Enfim, tirei meu livro de fotografia da mala e comecei a pesquisa-lo detalhadamente. Bom, na verdade antes de conhecer o Sr. Sato, ou Satosan, já tinha começado a fotografar, em um momento de desespero a procura de uma profissão ou idêntidade, conheci Satosan em uma exposição concurso que ele promoveu com um grupo de fotógrafos, além dele conheci o casal Marcos e Denise Lopes que me acolheram de certa forma em seu grupo de fotógrafos, a partir daí a convite deles, comecei não só a me aperfeiçoar na arte fotográfica, mas principalmente a conhecer de verdade a terra natal de meus avós, pois até então, meus interesses era como a da maioria dos dekassekis que vêm ao Japão, devido muitas vezes a saudade e o desconforto de estar em um país em que se é complicado aprender o idioma local, seguia somente meus interesses pessoais e nunca me importei em saber ou conhecer nada sobre a cultura e costumes local.
Meu começo na fotografia foi difícil, pois eu era realmente muuuito ruim, tenham certeza que essa não era uma opinião própria, ouvi palavras duras no início, porém creio que isso foi bom pois me fez dedicar me de corpo e alma ao aprendizado da fotografia, ao aprendizado da cultura e aos costumes locais. Depois de alguns anos me tornei um fotógrafo razoável, como podem ver os meus trabalhos ai ao lado. Porém não consegui e não sei se conseguirei algum dia me tornar um profissional da área, pois aprender a fotografar e me tornar razoavelmnte bom, acho que na verdade foi só um detalhe, pois mesmo expondo e divulgando meu trabalho, descobri que para se ter sucesso na vida e na profissão e necessário muito mais que talento e trabalho sério, é necessário muito outros requisitos que sinceramente não posso dizer, pois até hoje não sei quais são. Resolvi parar de expor, parar de divulgar como antes, pois percebi que tudo aquilo não me levava para lugar algum, pois investi pesado, tão pesado que me levou de certa forma a falência, pois não soube administrar as coisas, achando que um dia me tornaria um profissional, pois, divulgando meu trabalho teria diversas oportunidades de trabalhos, mas não foi bem assim. Mas continuo firme, esperança de me tornar um profissional, acho que não mais. Como minha namorada me disse um dia desses, porque não se conformar em ser apenas mais um fotógrafo, a fotografia ser apenas mais um hobby. Está dificíl de aceitar está realidade, mas quanto mais o tempo passa, mais passo a aceitá-la. Porém fica aqui o relato de um dekassegui que veio a terra do sol nascente com muitos sonhos, assim como milhares que vêm aqui, e que acabam como eu sem uma perspectiva certa do que vai ser do futuro. Espero que no futuro haja uma conciêntização maior dos adolescentes nikkeis, pois a maior tristeza na vida de um homem é tentar olhar um futuro e não ter certeza do que se está vendo. O bom fotógrafo sabe o resultado de uma fotografia antes da revelação ou ampliação, pois o conhecimento e prática o permite a isso. Uma foto tremida ou desfocada é falta de prática e conhecimento. Vamos transformar essa falta de conhecimento e prática, em excesso. Para que a história de sucesso que nossos ancestrais fizeram no Brasil, nôs dando o título de inteligentes e disciplinados, se repita aqui. Pois o que se vê aqui hoje em dia são interesses individuais, apesar de nos darmos o título de comunidade brasileira. A cada dia que passa, ao invés de buscarmos a adimiração do japoneses fazemos o contrário, e ainda buscamos diversas desculpas, culpando o modo de ser deles.
Vejo muitos japoneses se interessarem não somente pela lingua mas pela cultura do nosso país também. Mas pelo contrário, quando viajo para fotografar, são raros os fotógrafos brasileiros, não só fotógrafos, mas é rara a presença de brasileiros em locais históricos e festivais.
Vamos fazer do centenário da imigração japonesa, não só uma comemoração, mas mostrar aos japoneses que somos capazes não só de realizar o serviço de fábricas ou para a própria comunidade brasileira, mas somos capazes de nos integrar e participar da sociedade japonese de igual para igual.


Enviada em: 24/02/2008 | Última modificação: 24/02/2008
 

 

Comentários

  1. Olivia @ 23 Fev, 2008 : 23:44
    Liiindas fotos, adorei! parabéeens!

  2. alexandre @ 24 Fev, 2008 : 11:00
    Valeu! Olivia.

  3. Emi @ 25 Fev, 2008 : 00:38
    Achei muito legal sua conscientização, a maioria das pessoas tem uma idéia muito errada tanto do fato de ser dekassegui como do fato de ser descendente. E o pior é que a maioria delas são os próprios descendentes que acham que manter tradições de aparência é o que importa quando nem se dão conta da enorme riqueza cultural que estão perdendo ao não conversarem com seus odiitchans e obaatchans (isso no caso de quem não foi dekassegar). E no Japão, acabam se colocando numa situação em que são menosprezados pelos japoneses. Acho que o centenário só teria valor se os descendentes refletissem sobre isso. Parabéns pelo depoimento, e boa sorte com as fotos!

  4. alexandre @ 8 Mar, 2008 : 01:47
    Valeu pelo depoimento Emi.

  5. ricardo y @ 8 Mar, 2008 : 23:18
    Grande Ale, belo depoimento. Quanto à sua fotografia, acredito que pode transformá-la em hobby ou em algo mais. O caminho que leva ao seu ideal de vida já existe, sempre esteve lá. Ele cobra pedágio, mas todos os caminhos cobram alguma coisa. Siga o seu, só olhe para frente e um dia você vai poder gritar: teeerraaa! Abs.

  6. alexandre @ 8 Mar, 2008 : 23:49
    Valeu! Ri, além de te admirar como fotógrafo, tenho que admitir que te admiro como pessoa também. Valeu.

  7. Kenji @ 9 Mar, 2008 : 00:51
    Gostei do seu depoimento, mas confesso que fiquei desapontado com as suas perspequitivas com relação à fotografia. Vc só tem 30 anos e já está desanimando! O Sebastião Salgado começou a fotografar com 29 e olha o que ele é hoje. Gambate, Alexandre!!

  8. alexandre @ 15 Mar, 2008 : 14:31
    Valeu Kenji, confesso que seu comentário me animou bastante.

  9. Rita de Cássia Arruda @ 14 Abr, 2008 : 00:42
    Sua fotos são lindas, Alexandre. Espero sinceramente que seu talento seja logo reconhecido e que o consequente sucesso não seja apenas efêmero. Talvez esse "algo mais" que você não conseguiu definir exatamente o que seja, em palavras - quando disse que não basta apenas ser talentoso e trabalhar com seriedade - chame-se "senso de oportunidade". Melhor dizendo: conhecer as pessoas certas, na hora exata, nos locais onde as coisas estavam mesmo destinadas a acontecer. Fico aqui torcendo para que essa "conjunção astral" muito em breve ocorra em sua vida. Sucesso e sorte para você !!! Obrigada por dividir conosco sua história.

  10. alexandre @ 14 Abr, 2008 : 04:12
    Obrigado Rita. Acho que você têm razão, talvez até tenha conhecido as pessoas certas, mas talvez em momentos não muito convenientes, mas sigo em frente, pois elogios e depoimentos como o seu me dão forças para criar cada vez mais belas imagens e divulgar meu trabalho. abs.

  11. Maria laurissa @ 6 Jul, 2008 : 13:00
    MAUITO LEGAL ESTA HISTÓRIA PARABÉNS VOCÊ TEVE O PRAZER DE TIRAR FOTOS ▲

  12. ANNA CAROLINA @ 6 Jul, 2008 : 13:03
    PARABÉNS PELAS SUAS FOTOS ALEXANDRE , FOI ÓTIMO DIVIDIR SUA HISTÓRIA COMIGO ... QUEM LER VAI SE EMOCIONAR ** OBRIGADA POR CONTAR UM POUCO DE SUA HISTÓRIA PARA MIM

Comente



Todo mundo tem uma história para contar. Cadastre-se e conte a sua. Crie a árvore genealógica da sua família.

Árvore genealógica

Nenhuma árvore.

Histórias

Vídeos

  • Nenhum vídeo.

| mais fotos » Galeria de fotos

Áudios

  • Nenhum áudio.
 

 

 

As opiniões emitidas nesta página são de responsabilidade do participante e não refletem necessariamente a opinião da Editora Abril


 
Este projeto tem a parceria da Associação para a Comemoração do Centenário da Imigração Japonesa no Brasil

Sobre o Projeto | Cadastro | Fale Conosco | Divulgação |Termo de uso | Política de privacidade | Associação | Expediente Copyright © 2007/08/09 MHIJB - Todos os direitos reservados