Olá, faça o Login ou Cadastre-se

  Conte sua históriaSílvia Mitie Kaneco › Minha história

Sílvia Mitie Kaneco

São Paulo
51 anos, tradutora

Uma família tradicional


Meus avós paternos são da Província de Gifu, conheceram-se e casaram-se no Japão. Contrariando o costume que vigorava na época, o casamento deles não foi arranjado. Gosto de acreditar que se casaram por amor. Meu avô com certeza destacava-se pela beleza e pelo porte atlético e não é difícil imaginar por que minha avó teria se apaixonado por ele. Eu não conheci meu avô, pois quando eu nasci ele já havia falecido.

Meus avós chegaram ao Brasil por volta de 1930 e se estabeleceram na região de Presidente Prudente, em um pequeno município chamado Indiana (na hoje extinta Macuco). Arrendaram um pedaço de terra e começaram a cultivar algodão. Como a de muitos imigrantes, a vida daquela família não era fácil. Moravam em uma casa de sapé, e minha avó, Hori Kaneco, todos os dias, antes do raiar do sol, já estava trabalhando. Ela era pequena e muito magra; porém essa aparente fragilidade escondia uma mulher muito forte, que era o verdadeiro pilar daquela família.

Tiveram quatro filhos, três mulheres e um homem, o meu pai, Tatsuo. Como o único filho homem, teve o privilégio de estudar e a obrigação de ganhar a vida. Aos 12 anos, saiu de casa para morar com os padrinhos portugueses a fim de ter melhor acesso à educação.

Meu pai mudou-se para São Paulo, onde morou em um albergue na Liberdade. Formou-se em Economia, deixando para trás o sonho de ser arquiteto. Já casado com minha mãe, acumulou dois empregos, deixando-lhe pouco tempo para estar com os filhos. Esse ritmo rendeu-lhe uma crise de estafa, o que o ensinou a valorizar também o tempo de lazer. Nossa família passou, então, a viajar todos os anos, durante a tão esperada época de férias, quando podíamos desfrutar daquele momento de estarmos todos juntos.

Das muitas lembranças que tenho da minha infância, uma, em especial, eu trago dentro de mim como um tesouro. É a minha primeira lembrança, como se isso marcasse o despertar da minha própria consciência. E o curioso é que essa primeira lembrança não é da minha mãe, nem do meu pai, nem dos meus irmãos, mas da minha avó. A sensação, mais do que a imagem, que ficou gravada em mim, é dela me contando histórias para dormir. Eram duas histórias, a do Momotaro-san e a do Doobutsuen, que era a minha preferida.

À medida que fui crescendo, outras lembranças da minha avó foram se acumulando. Muitas são engraçadas, como quando ela torcia, gritava e até batia palmas pelo Palmeiras sem saber que se tratava de um jogo reprisado, de muitos anos atrás. Ou de quando ela vinha me chamar porque havia começado uma confusão no meio da partida e os jogadores estavam brigando. Ela adorava quando isso acontecia! Lembro-me particularmente da Copa de 82. Era inverno, fizemos pipoca e juntamo-nos todos na sala (não tenho certeza, mas creio que foi uma das raras vezes em que até acendemos a lareira). Como todos sabem, o Brasil perdeu, e aquele último jogo foi uma grande tristeza. Lembro que até eu chorei e ela também.

Além de futebol, ela também gostava de vôlei e basquete. Mas, acho que gostava mesmo era de uma boa briga. Lembro-me das madrugadas que ela passava acordada esperando as lutas do Mike Tyson. De manhã ela vinha contar que a luta não havia durando nem um minuto. Nocaute de novo!

Outra lembrança engraçada é de quando eu entrava no quarto dela e, de repente, notava tudo fora do lugar. A escrivaninha, a cama, o sofá .... De tempos em tempos, ela mudava tudo, sem pedir ajuda a ninguém. Costumava fazer isso também com os vasos, grandes e pesados. Se contasse ninguém acreditava.

Minha avó tinha também um lado artístico. Escrevia haikus, que eram publicados nos jornais da colônia no Brasil. Alguns chegaram a ser publicados n0 Japão e ganharam prêmios.

Também não gostava de ficar parada e depender dos outros. Fazia questão de lavar a louça e sua própria roupa. Hoje compreendo como essas coisas eram importantes para ela, uma pessoa que havia trabalhado tanto quando jovem e que sabia a importância de ser útil.

Minha avó faleceu este ano (2007). No hospital, já muito debilitada, escreveu seu último poema, de extrema beleza e lucidez, que foi a forma que encontrou para se despedir. Seu enterro representou o fim de uma geração, pois todos os meus oditchans e obátchans se foram.

Meus avós maternos são de Hyogo-ken e faziam questão de manter muitos costumes, como ouvir missas budistas e fazer oferendas aos mortos no hotoke-san. Todos os anos, eu aguardava com ansiedade as festividades do Kodomo-no-hi, quando meu avô hasteava três bandeiras representando carpas coloridas, e o Ano Novo, que comemorávamos da forma tradicional, fazendo moti no pilão de madeira.

Minha filha, Sophia, nasceu em 2005. A ela pretendo apresentar a cultura japonesa de forma natural e contar a saga de seus antepassados imigrantes, para que ela cresça consciente de suas origens e mantenha viva a memória de meus avós.

Aos meus irmãos e a todos os meus primos e primas que, certamente, também guardam muitas lembranças da nossa obátchan, eu transcrevo abaixo um trecho de um poema da professora da minha filha Sophia, chamado "Poema da Eternidade":

“Acima de tudo,
Não queiras imortalizar tua passagem,
Deixa que ela se dilua,
Nas pequenas coisas da vida como um olhar, um sorriso, um afago.
Que tua passagem possa ser apagada rapidamente,
Como se apagam as marcas na areia,
Pois o que ficarás de ti,
Já ficou impresso nas almas
dos que te cercavam.
E esses levarão a outrem
O que deixaste impregnado.
O mesmo sorriso, o gesto de amor e atenção,
O afago.
E essa marca de amor, que se conduz pelas pessoas,
É a tua eternidade.”
(Cecília Bonna)


Enviada em: 11/10/2007 | Última modificação: 12/12/2007
 

 

Comentários

  1. Fabíola Kubo @ 25 Out, 2007 : 11:52
    Mitie Foi um grande gesto de amor registrar esta história, que ficará guardada em nossas mentes como um grande tesouro e passada aos nossos filhos com grande orgulho. Bruno, Edison e Fabíola

  2. Eduardo @ 25 Out, 2007 : 13:45
    Mi, Parabéns pelo texto, pelas fotos e pela iniciativa! Aprendi mais sobre a história da nossa família e sobre sua importância. Edu.

  3. Pat Giu @ 29 Out, 2007 : 13:21
    Oi, Sil! A história da sua família é muito bonita! Parabéns! Estou orgulhosa de ter você como minha amiga (de infância e para sempre). Beijos, Pat

  4. Harumi @ 30 Out, 2007 : 10:07
    Oi Mitie!!! Adorei o que vc escreveu... foi muito emocionante. Tb gostei muito das fotos! Abraços da Harumi

  5. marli @ 8 Nov, 2007 : 20:09
    Sempre questionei quem poderia ter herdado toda a delicadeza das palavras de nossa querida avó e hoje descobri que ela tem uma sucessora, você! Bjs sua prima Marli

  6. Nelson Sinzato @ 13 Set, 2008 : 17:09
    Prezada Sílvia. Recordar é viver. Sua história, assim como outras relatadas neste site são saudosas e agradáveis recordações que nos fazem recordar do passado, pois sempre há algum ponto em comum na história dos imigrantes e seus descedentes. Então me lembro da minha infância na zona rural de Dracena, perto de Presidente Prudente. Aquela foto de seus familiares colhendo amendoim lembra-me da vida dura na roça, a colheita de amendoim, por exemplo era tudo manual, trabalho duro, porém, a gente trabalhava com alegria, com otimismo, sempre almejando um futuro cada vez melhor. Sua obatchan que simpatizava pelo Palmeiras, me faz lembrar, como bom santista, que jogou no Santos na década de 70, um nipo-descendente. O seu nome era Kaneko. Em Pres. Prudente havia (não sei agora) a Kaneko Diesel, Concessionária Mercedes Bens. Teria relação com sua família? Um abraço.

Comente



Todo mundo tem uma história para contar. Cadastre-se e conte a sua. Crie a árvore genealógica da sua família.

Árvore genealógica

Nenhuma árvore.

Histórias

Vídeos

  • Nenhum vídeo.

| mais fotos » Galeria de fotos

Áudios

  • Nenhum áudio.
 

 

 

As opiniões emitidas nesta página são de responsabilidade do participante e não refletem necessariamente a opinião da Editora Abril


 
Este projeto tem a parceria da Associação para a Comemoração do Centenário da Imigração Japonesa no Brasil

Sobre o Projeto | Cadastro | Fale Conosco | Divulgação |Termo de uso | Política de privacidade | Associação | Expediente Copyright © 2007/08/09 MHIJB - Todos os direitos reservados